Cientistas lançam método pioneiro de previsão do tempo no espaço

Pixabay
Um grupo de especialistas da Rússia, Áustria e Bélgica desenvolveu técnica para prever intensidade do ciclo solar de 11 anos. A pesquisa ajudará a entender o campo magnético do Sol, que afeta tanto a saúde como o funcionamento de eletrônicos.

Cientistas do Skoltech (Instituto de Tecnologia de Skôlkovo), nos arredores de Moscou, da Universidade de Graz e do Observatório Real da Bélgica desenvolveram um método que permite prever a força do próximo ciclo solar de 11 anos.

“Meteorologia do espaço é a ciência do futuro”, disse Tatiana Podladtchikova, professora do Skoltech e autora principal do estudo. “Isso é o que nos une a todos, melhora a nossa vida e nos permite cuidar do nosso planeta.”

Segundo os especialistas, no auge de sua atividade, o campo magnético solar é tão forte que varre os raios cósmicos galácticos do nosso sistema solar, afetando todos os sistemas construídos por humanos em órbita.

Como funciona?

Cada ciclo solar tem um número, e a Terra está se aproximando agora do nadir do 24º ciclo da atividade solar. Quando o ciclo solar atual atingir o pico e os polos magnéticos do Sol se inverterem, é possível prever o quão forte será o próximo ciclo.

O estudo revelou que a atividade solar na fase descendente de um ciclo afeta a intensidade do ciclo seguinte. Na fase descendente, há menos manchas solares no Sol, o que pode ajudar a entender a atividade no próximo ciclo.

De acordo com a previsão, a atividade solar futura será baixa, e a intensidade do próximo ciclo de atividade solar (25º) será ainda menor do que a atual. Os resultados do estudo foram publicados no “The Astrophysical Journal”.

Quer saber mais sobre exploração espacial?
Leia "Bactéria super-resistente encontrada no casco da ISS pode ser chave para origem da vida na Terra"

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies