Cosmonautas ficarão acordados por 38 horas em simulação de voo à Lua

Três homens e três mulheres participam de experimento

Três homens e três mulheres participam de experimento

Instituto de Problemas Biomédicos da Academia Russa de Ciências
Em experimento russo-americano Sirius, seis pessoas ficarão confinadas em módulo na Rússia por 17 dias.

Seis tripulantes – três homens e três mulheres – começaram na terça-feira (7), em Moscou, o experimento de isolamento Sirius, que simula uma viagem à Lua. Durante o período de 17 dias, os especialistas permanecerão em isolamento completo.

Uma das missões principais do Sirius é observar como a paridade de gênero afetará os relacionamentos e interações no grupo, informa a agência TASS.

Os pesquisadores analisarão se a tripulação é capaz de desenvolver, de modo independente, um plano de ação sem se comunicar com a base, e testarão a eficiência de uso da nave espacial e das instalações. Os tripulantes irão trabalhar no âmbito do programa da Nasa com um braço robótico, usado para “pegar satélites”.

O experimento inclui ainda uma situação anormal de privação de sono: os tripulantes terão que ficar acordados e trabalhar continuamente por 38 horas, reagindo a dificuldades e perigos associados ao encaixe e ao desacoplamento. Os especialistas estudarão não apenas as reações dos cosmonautas, mas também seu estado físico.

O experimento ocorre no Instituto de Problemas Biomédicos da Academia Russa de Ciências e abre uma série de experiências conjuntas de isolamento até 2021.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Leia mais