9 curiosidades sobre a Mir

A Mir foi a primeira estação internacional e símbolo da amizade entre astronautas e cosmonautas de diferentes países.

A Mir foi a primeira estação internacional e símbolo da amizade entre astronautas e cosmonautas de diferentes países.

Reuters
Estação soviética lendária entrou em órbita há exatos 30 anos e foi destruída em 2001.

Há exatos 30 anos, em 20 de fevereiro de 1986, entrou em órbita o primeiro módulo da estação soviética Mir, que acabou desativada e destruída em 2001. Descubra tudo sobre ela aqui:

280 empresas soviéticas e alta hierarquia do partido

Soyuz-T-15 space crew: Leonid Kizim [right] and Vladimir Solovyov train for first long-duration scientific expedition to Mir orbital station at Gagarin Cosmonaut Training Center.   03/01/1986. Foto: Alexander Mokletsov/RIA NovostiLeonid Kizim (dir.) e Vladímir Soloviov treinando para primeira expedição à Mir, em 1986. Foto: Alexander Mokletsov/RIA Novosti

Foi necessário acionar 280 empresas da URSS para construir a Mir. Mas, para finalizá-la, foi preciso intervenção da alta hierarquia do partido: em 1984 todos os recursos do país foram aplicados ao programa de criação da nave espacial soviética Buran, e os trabalhos na estação foram congelados.

Amizade espacial

A Mir foi a primeira estação internacional e símbolo da amizade entre astronautas e cosmonautas de diferentes países. A estação recebeu equipes dos EUA, Japão, Reino Unido, França, Bulgária e muitos outros países.

23 mil experimentos

 A flight controller adjusts a model of the Mir station at the Russian Mission Control center near Moscow, during a spacewalk performed by the Mir's two Russian cosmonauts, Wednesday, April 22, 1998. Cosmonauts Talgat Musabayev and Nikolai Budarin spent more than six hours in open space Wednesday to install a new orientation engine on the outside of the orbiter. Orientation engines keep the Mir pointed toward the sun, to allow the station's solar batteries soak up maximum energy. Foto: AP Controlador de voo ajusta modelo à estação Mir. Foto: AP

Foram realizados mais de 23 mil experimentos na Mir. Como resultado, os cientistas aprenderam a detectar terremotos com precisão por meio da detecção de explosões de partículas carregadas e a testar a produção de novos metais e ligas sob a microgravidade.

Quase 360 horas no espaço aberto

Os cosmonautas e astronautas da Mir fizeram mais de 78 saídas para o espaço aberto, em um total, somado, de 359 horas e 12 minutos.

3.642 dias de ocupação direta

O recorde de ocupação da Mir sem interrupção foi de 3.642 dias, de 5 de setembro de 1989 a 26 de agosto de 1999.

Agregados

Quando a estação foi lançada em órbita, em 1986, tinha apenas um bloco de base. Somente mais tarde foram anexados outros, como instalação para habitar, laboratórios e um módulo para resfriamento com as Shuttle americanas.

Comportamento humano sem gravidade

Russian test instructor Oleg Pushkar is assisted by divers during underwater tests on a replica of the damaged Mir space station July 4. 1997 Risky and difficult repairs to Mir were postponed on Friday as the Russian-American crew and mission control struggled to fight a navigational problem before the arrival of a vital supply craft. Foto: ReutersInstrutor de testes é auxiliado por mergulhadores em testes na água em réplica da Mir em 1997. Foto: Reuters
Ali foram realizadas as primeiras pesquisas relacionadas ao comportamento do homem em condições de longa permanência sem gravidade. Na Mir, estudaram-se Mir as reações do organismo e do psicológico humano no voo a outros planetas.

Radiação analisada

As pesquisas com radiação feitas na Mir permitiram a criação de previsões dos padrões de mudança dos campos de radiação. Assim, descobriram-se os anos exatos de maior perigo de radiação para os futuros cosmonautas e astronautas.

Período de exploração triplicado

Inicialmente, planejava-se explorar a estação seria por cinco anos, mas ela sobreviveu por um prazo três vezes maior que o projetado.

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.

Leia mais