Comida espacial: do tubo de borsch de Gagárin ao caviar seco

Visita ao instituto onde são produzidos alimentos espaciais mostra que não foram só as naves que evoluíram com o tempo.

Segundo astronautas e cosmonautas, a hora da refeição é um dos momentos mais agradáveis do dia a bordo da Estação Espacial Internacional (ISS, na sigla em inglês), após longas e cansativas horas de trabalho.

Para muitas pessoas, a comida espacial ainda está associada àquela pasta sem gosto, espremida de um tubo parecido com o de um creme dental, mas essa indústria já percorreu um longo caminho desde o primeiro voo tripulado.

“Criamos mais de 300 alimentos desde o primeiro voo espacial de Iúri Gagárin”, conta diz Viktor Dobrovolski, chefe do departamento de desenvolvimento de comida espacial do Instituto para Pesquisa de Tecnologias de Alimentos Especiais. “Tudo começou com os tubos. [Mas], em meados dos anos 80, começamos a criar comida seca a vácuo. Hoje em dia, além desses produtos, fazemos chegar frutas e legumes frescos à ISS.”

Cada país fornece aos seus astronautas as suas próprias rações de comida, mas os astronautas podem escolher e encomendar produtos a partir dos menus de seus colegas estrangeiros. “Os americanos adoram as nossas sopas: borsch, rassolnik, khartcho... Eles encomendam o nosso queijo cottage e caviar secos a vácuo”, diz Dobrovolski.

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.