Os 10 escritores infantis mais populares da Rússia

Professora lê para crianças no jardim de infância da fábrica soviética "Kolosok".

Professora lê para crianças no jardim de infância da fábrica soviética "Kolosok".

Iuri Kuidin/RIA Nôvosti
Kornêi Tchukóvski lidera ranking, com 2,35 milhões de livros em 2016. Lista também contém estrangeiros, como Hans Christian Andersen.

Só em 2016, foram publicados na Rússia 198 títulos infantis de Kornêi Tchukóvski, com uma tiragem total de 2,35 milhões de cópias. Com esses números, a figura alta e engraçadíssima que também escrevia obras maravilhosas para adultos foi classificada como o autor infantil mais “pop” do ano. A Gazeta Russa compilou, com dados da Agência Federal para Publicações e Imprensa (Rospetchat), um ranking dos escritores infantis mais lidos do ano no país.

1. Kornêi Tchukóvski, 198 títulos, 2,35 milhões de cópias

O poeta soviético Tchukóvski lê contos de fadas durante uma Semana do Livro Infantil na URSS. Foto: Aleksander Batanov/TassO poeta soviético Tchukóvski lê contos de fadas durante uma Semana do Livro Infantil na URSS. Foto: Aleksander Batanov/Tass

Não é por acaso que os livros de Tchukóvski (1882-1969) têm uma tiragem tão grande: na União Soviética, eles eram publicados em edições de milhões de cópias. Hoje ele continua a ser um dos mais populares escritores infantis do país. O sucesso de seu “Crocodilo” pode ser comparado ao de “Harry Potter”. Ele tinha um estilo muito vivo e amava as crianças, que, por sua vez, eram doidas por seus poemas e os sabiam de cor. O autor foi vertido para o português no título “Tarakã, o bigodudo” (“tarakã”, do russo, significa “barata”), que teria incomodado Stálin por associações óbvias.

“Andavam os ursos
De bicicleta.

Depois vinha o gato
De trás para frente.

Depois os mosquitos
No balão.

Siris iam montados
No manco do cão”

Assim se inicia o título, que tem edição bilíngue no Brasil da editora “Kalinka” em parceria com a "Ars et Vita".

2. Ágnia Bartô, 115 títulos, 1,19 milhão de cópias

Ilustração de “Canção sobre os pássaros”. Ilustração: Genrikh ValkIlustração de “Canção sobre os pássaros”. Ilustração: Genrikh Valk

Os poemas simples de Ágnia Bartô (1906-1981) contam sobre uma bola que cai no rio, um coelhinho de pelúcia abandonado pelo dono na chuva, muitos outros brinquedos e, claro, crianças. Bartô usava linguagem extremamente simples para ensinar as crianças soviéticas normas básicas de convivência.

É interessante notar que Bartô e Tchukóvski adoravam trocar farpas, e ela chamava os poemas do mais amado escritor infantil do país de “antissoviéticos”. Mas, nos rankings e nos corações infantis, os dois sempre andaram lado a lado.

3. Vladímir Stepânov, 71 títulos, 909 mil cópias

“O Gato Redondo”, de Vladímir Stepânov. Ilustração: Viatchesláv Jigarev“O Gato Redondo”, de Vladímir Stepânov. Ilustração: Viatchesláv Jigarev

Stepânov (1949-) era considerado por Bartô, por outro lado, um autor muito promissor. Ele estava envolvido com pedagogia infantil e criou a Enciclopédia da Criança na Pre-Escola, além de muitos outros livros didáticos em versos.

4. Nikolai Nôssov, 101 títulos, 777 mil cópias

Imagem da animação “Sabe-Nada na Lua”. Fonte: kinopoisk.ruImagem da animação “Sabe-Nada na Lua”. Fonte: kinopoisk.ru

Nôssov (1908-1976) é mais conhecido pela criação do protagonista “Neznaika” (Sabe-Nada), um menino corajoso, mas desatento, que realiza diversas travessuras. O conto de fadas contém elementos de sátira, utopia e fantasia, e “Neznaika” viaja à lua com seus amigos. Nôssov tornou-se escritor quase por acaso, quando começou a contar histórias para o próprio filho e, depois, passou a escrevê-las.

5. Irina Gurina, 57 títulos, 759 mil cópias

“As aventuras do esquilinho”. Fonte: Publicações “Flamingo”“As aventuras do esquilinho”. Fonte: Publicações “Flamingo”

Gurina é uma das autoras mais modernas de nossa lista e seus poemas retratam computadores e dinossauros. Ela assina uma infinidade de contos de fadas, canções e poemas, assim como uma cartilha para brincar.

6. Hans Christian Andersen, 66 títulos, 633 mil cópias

Imagem do filme ‘Andersen, uma vida sem amor’, co-produção russo-ítalo-alemã. Fonte: Kinopoisk.ruImagem do filme ‘Andersen, uma vida sem amor’, co-produção russo-ítalo-alemã. Fonte: Kinopoisk.ru

O escritor de fábulas dinamarquês Hans Christian Andersen (1805-1875) dispensa apresentações. Na União Soviética ele era simplesmente adorado, e inspirou desenhos animados como “O soldadinho de chumbo”, “A rainha de neve”, “A princesa e a ervilha”, “A polegarzinha” e muitos outros. Hoje em dia, sua popularidade continua alta. Em 2006, o renomado diretor russo Eldar Riazânov fez um filme sobre o escritor, e uma nova animação de “A rainha da neve” saiu em 2012.

7. Holly Webb, 87 títulos, 595 mil cópias

“O gatinho corajoso”, de Holly Webb, em edição russa. Fonte: Editora “Eksmo” “O gatinho corajoso”, de Holly Webb, em edição russa. Fonte: Editora “Eksmo”

Os gatinhos, filhotinhos e menininhas nas capas de livros de Holly Webb (1976-), assim como outras histórias de Natal, ganharam os corações dos russinhos, fazendo com que a autora britânica empurrasse para fora dos rankings de maiores tiragens o cultuado J.K. Rowling.  

8. Aleksandr Púchkin, 88 títulos, 574 mil cópias

“O conto do tsar Saltan”, de Púchkin. Ilustração: Ivan Bilibin“O conto do tsar Saltan”, de Púchkin. Ilustração: Ivan Bilibin

Púchkin é tudo para nós”, costumam dizer os russos. Com efeito, durante sua vida relativamente curta, ele conseguiu escrever muitos poemas, um romance em versos, ficção histórica, dramas e até contos de fadas para crianças. Em seus livros, Púchkin (1799-1837) toma motivos folclóricos e os transforma em uma linguagem mais moderna. Eles se tornaram parte da cultura nacional e são conhecidos de cor pela maior parte dos russos. Especialmente amadas e conhecidas são as edições ilustradas por Ivan Bilibin, e seus contos foram transformados em animações incontáveis vezes. Recentemente, o diretor Robert Wilson montou uma peça em Moscou baseada em contos de Púchkin.

9. Samuil Marchak, 90 títulos, 532 mil cópias

Marchak lê seu ‘Teremok’ para crianças. Foto: Michael Trahman/RIA NôvostiMarchak lê seu ‘Teremok’ para crianças. Foto: Michael Trahman/RIA Nôvosti

Marchak (1887-1964) escreveu livros altamente populares na Rússia, como “Os 12 meses”, “Teremók” e “A casa do gato”. Ele também criou um dos primeiros teatros infantis de Moscou e escreveu peças para ele. Como Tchukóvski, Marchak é conhecido não apenas pela literatura infantil, mas também pela adulta e por traduções da literatura inglesa: Shakespeare, Kipling e Wordsworth.

Ele também foi o responsável por verter “Winnie the Pooh”, de A. A. Milne, para as crianças soviéticas. Foi seu filho, aliás, quem traduziu “Orgulho e Preconceito”, de Jane Austen, para o russo. O último secretário literário de Marchak foi o jornalista russo Vladímir Pozner. Em sua autobiografia, ele relembra que Marchak evitava deliberadamente a censura e a pressão soviética ao se empenhar em áreas com mais liberdade: a literatura infantil e a tradução.

10. Aleksandr Vôlkov, 53 títulos, 392 cópias

“O Mágico da Cidade Esmeralda”, de Aleksandr Vôlkov. Ilustração: Leoníd Vladímirski“O Mágico da Cidade Esmeralda”, de Aleksandr Vôlkov. Ilustração: Leoníd Vladímirski

Um dos títulos mais famosos de Vôlkov, “O Mágico da Cidade Esmeralda” é baseado no conto de fadas “O Incrível Mágico de Oz”, de Frank Baum. Uma garota chamada Ally, assim como Dorothy, vive no Kansas com seu cachorro Totoshka e é levada por um furacão, viajando após isso com um leão medroso, um espantalho e um homem de lata.

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.