‘Cidade dos mortos’ vira ponto turístico no Cáucaso do Norte; veja fotos

Stanislav Kazanov/discoverynn.ru
Os moradores locais acreditam que aqueles que entram na ‘cidade dos mortos’, na região russa do Cáucaso do Norte, nunca mais voltarão. No entanto, essa necrópole com os restos mortais de mais de 10.000 pessoas se tornou uma atração turística.

Um dos lugares mais sinistros da Rússia, Dargavs, conhecida pelos locais como a “cidade dos mortos”, está localizada na República da Ossétia do Norte-Alânia. 

Esta é uma antiga necrópole em um pitoresco vale montanhoso, mas difícil de alcançar, não muito longe do vilarejo de Dargavs.

Os restos mortais de mais de 10 mil pessoas estão preservados nas 97 criptas do local.

Embora as pessoas tenham sido enterradas na necrópole durante os séculos 14 e 18, alguns corpos foram tão bem mumificados que ainda preservam a carne.

Em muitos dos cadáveres há roupas de diferentes épocas, itens pessoais, assim como presentes póstumos de seus parentes.

Algumas das criptas são construções altas com várias histórias, enquanto outras ficam completamente escondidas dos olhos sob a superfície.

Acredita-se que, quando uma epidemia de cólera devastou o Cáucaso, no século 18, famílias contaminadas inteiras se isolaram nas criptas para assim não infectar outras pessoas, e ali esperaram pela morte.

No século 19, os habitantes das aldeias próximas deixaram o vale da montanha e se mudaram para as planícies, deixando o território às moscas.

Até o início do século 20, ninguém se atreveu a abrir as criptas, uma vez que tinham medo de liberar as doenças.

No entanto, após a Revolução de 1917, as criptas foram saqueadas, e grandes quantidades de joias sumiram.

Atualmente, o maior perigo para a chamada “cidade dos mortos” é representado pelos próprios turistas, que costumam levar ossos e crânios como suvenires, sem pensar que se são restos mortais de pessoas reais.

VEJA TAMBÉM: Como os russos enfrentam a morte 

Quer receber as principais notícias sobre a Rússia em seu e-mail? 
Então assine nossa newsletter semanal ou diária.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies