Telhados de São Petersburgo viram atração turística

Tour guiado pelos telhados da Avenida Liteyny

Tour guiado pelos telhados da Avenida Liteyny

Peter Kovalev/TASS
Acesso em massa a coberturas de prédios irritou comunidade local de “roofers”.

Aventureiros iniciantes podem agora escalar prédios de São Petersburgo em segurança, depois que as autoridades da cidade russa instalaram corrimões e sinalizações em três coberturas de prédios locais. Será possível até mesmo fazer tours guiados nas construções.

Mas os chamados “roofers” (telhadeiros, em tradução livre), isto é, alpinistas urbanos radicais que se arriscam escalando topos de prédios sem equipamentos de segurança, não aprovaram a iniciativa. Nos últimos anos, esses amantes de adrenalina alcançaram fama nas redes sociais com suas selfies e fotos panorâmicas tiradas no alto de algumas das construções mais icônicas da Rússia.

Para esses praticantes de escalada, as novas medidas de segurança acabam com o “romantismo” da atividade, já que eliminam os riscos.

“É melhor escalar telhados que não foram adaptados para isso. São necessários certos riscos para tornar a experiência mais excitante”, declarou um dos alpinistas radicais, que preferiu não ser identificado.

Escalar um telhado certamente envolve riscos, sendo a morte um deles. Mas também envolve muita criatividade, intuição e habilidade. Os “roofers” precisam planejar cuidadosamente, estudar as entradas dos prédios e planejar rotas de fuga caso a polícia chegue, afinal, trata-se de uma atividade ilegal.

Mas os praticantes não acreditam estar prejudicando ninguém com a atividade. “Somos muito silenciosos quando escalamos telhados e tentamos não incomodar as pessoas. Além disso, elas nunca descobrirão os caminhos que usamos”, disse outro alpinista, que também não quis ser identificado.

Apesar dos lamentos dos “roofers” mais radicais, amadores agora poderão escalar os prédios de São Petersburgo em segurança, sem desrespeitar a lei ou arriscar suas vidas. 

Quer receber as principais notícias sobre a Rússia em seu e-mail?
Clique aqui para assinar nossa newsletter.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.