Pútin envia condolências a Lisboa por vítimas de incêndios

Devido a “trovoadas secas” e fortes ventos, fogo se alastrou rapidamente

Devido a “trovoadas secas” e fortes ventos, fogo se alastrou rapidamente

Reuters
Queimadas na região central de Portugal deixaram, ao menos, 62 mortos. Países da UE ofereceram ajuda, mas controle do fogo é dificultado por condições climáticas.

O presidente russo Vladímir Pútin enviou uma mensagem a seu homólogo português, Marcelo Rebelo de Sousa, expressando pêsames pelas várias mortes resultantes de incêndios no país, disse o porta-voz do Kremlin, Dmítri Peskov, nesta segunda (19).

“O presidente enviou suas condolências ao chefe de Estado de Portugal pelas trágicas conseqüências das catástrofes naturais – os incêndios que custaram muitas dezenas de vidas”, declarou o porta-voz da presidência.

De acordo com a assessoria de imprensa do Kremlin, “em seu telegrama, o chefe de Estado russo enfatizou que a Rússia compartilha o sofrimento daqueles que perderam entes próximos e queridos nessa tragédia e desejou rápida recuperação aos feridos”.

O último balanço oficial registra 62 mortos e 62 feridos, incluindo cinco pessoas em estado grave. As autoridades portuguesas não descartam a possibilidade de encontrar novas vítimas em regiões devastadas pelo fogo.

Incêndio em floresta nos arredores do vilarejo de Fato, no domingo (18)  (Foto: Reuters)Incêndio em floresta nos arredores do vilarejo de Fato, no domingo (18) (Foto: Reuters)

Os incêndios começaram no sábado à tarde em Leiria, no centro de Portugal. A cidade de Pedrogão Grande, a 200 km de Lisboa, foi a mais afetada pelas queimadas.

O combate ao fogo foi complicado pela alta temperatura, de até 40ºC, e fortes rajadas de vento. A nuvem de fumaça também dificultou as operações dos bombeiros. Países da UE ofereceram ajuda a Portugal.

“Tudo aponta claramente para causas naturais. Conseguimos determinar que ‘trovoadas secas’ estejam na origem do incêndio. Encontramos uma árvore atingida por um raio”, declarou o diretor nacional da Polícia Judiciária, Almeida Rodrigues.

Nas chamadas “trovoadas secas”, as chuvas evaporam antes de chegar ao solo, mas são acompanhadas por raios que produzem faíscas ao tocar a superfície. Devido aos ventos na região, o fogo se espalhou rapidamente.

Bombeiros continuam atuando intensamente no centro do país (Foto: Reuters)Bombeiros continuam atuando intensamente no centro do país (Foto: Reuters)

Até o momento a embaixada da Rússia em Portugal não tem dados sobre cidadãos russos que possam ter sofrido ferimentos em decorrência dos incêndios no país, disse o porta-voz do órgão, Aleksandr Brinatsev, à TASS. 

“Estamos em contato com as autoridades portuguesas para descobrir se existem cidadãos russos entre os mortos ou feridos nas queimadas”, acrescentou Brinatsev.

Quer receber as principais notícias sobre a Rússia em seu e-mail?
Clique aqui para assinar nossa newsletter.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.