Roscosmos dispensa quatro membros do corpo de cosmonautas

Novos cosmonautas devem ser incorporados a partir de 2024

Novos cosmonautas devem ser incorporados a partir de 2024

Nasa
Redução de pessoal não está ligada a qualquer crise na indústria espacial russa. Objetivo é rejuvenescer a composição do corpo de cosmonautas, diz agência.

De acordo com uma determinação da comissão interministerial da corporação estatal Roscosmos, Guennádi Padalka (58), Serguêi Volkov (44), Aleksandr Samokutiaev (47) e Serguêi Revin (51) deixaram o corpo de cosmonautas russos em abril passado.

Volkov teria renunciado por conta própria, enquanto Samokutiaev e Revin foram suspensas dos voos espaciais devido a razões médicas, segundo apurou a TASS.

A exclusão, porém, não significa que os membros serão totalmente desligados dos trabalhos na indústria espacial completamente. Pelas regras da Roscosmos, um cosmonauta suspenso de voos espaciais pode ocupar outro cargo na corporação.

No entanto, o lendário cosmonauta Guennádi Padalka, que detém o recorde de tempo em órbita, não planeja ficar na profissão por mais tempo.

“Estou cansado de ficar sentado sem fazer nada. Não há perspectiva para qualquer outro voo espacial”, disse Padalka ao site Yugopolis. “Também não há trabalho para mim no centro [de treinamento de cosmonautas]”, completou.

Nova geração de cosmonautas

Os temores que apareceram na imprensa sobre o início de uma crise na indústria espacial russa foram prontamente dissipados pelo vice-premiê Dmítri Rogózin, segundo o qual as reduções no corpo haviam sido planejadas com antecedência.

“Mudanças no corpo de cosmonauta estão relacionadas à renovação de pessoal, uma vez que a idade média atual é de 53 anos”, disse Rogózin, no final de abril.

“Esta é uma idade muito problemática para os cosmonautas. Este ano, a Roscosmos anunciou um novo processo de contratação”, acrescentou o vice-premiê.

Ainda segundo Rogózin, o objetivo é incluir novos membros a partir de 2024.

Paralelamente, a Roscosmos vem desenvolvendo um novo sistema de treinamento para cosmonautas. “E em áreas particularmente difíceis, os cosmonautas poderão vir a ser substituídos por robôs no futuro”, continuou o vice-primeiro-ministro.

A ideia de crise no setor espacial russo também foi descartada por Iúri Lontchakov, que dirige o Centro de Treinamento de Cosmonautas. “Que crise? Não há nenhuma”, disse Lontchakov em entrevista à revista “Life”.

Em março, a Roscosmos anunciou a futura contratação de cosmonautas. Os candidatos devem ser cidadãos russos com idade inferior a 35 anos, e ter diploma universitário. Gênero e etnia são indiferentes no processo.

Quer receber as principais notícias sobre a Rússia em seu e-mail?
Clique aqui para assinar nossa newsletter.