Mais de 50% dos russos acham que homens não devem cuidar de recém-nascidos

Respeito pelas mulheres foi apontado como uma das maiores contribuições dos homens na criação de seus filhos

Respeito pelas mulheres foi apontado como uma das maiores contribuições dos homens na criação de seus filhos

Serguêi Savostianov/TASS
Embora não considere que os pais sejam piores na criação dos filhos, grande parte dos russos ainda rejeita inversão de papéis tradicionais nessa fase. Apesar de dados conservadores, pesquisa também mostra tendência oposta em relação a deveres em casa.

Mais de metade dos russos (56%) consideram errado que um homem fique em casa cuidando de um recém-nascido enquanto a mulher sai para trabalhar. O índice é maior entre os homens, cuja rejeição à ideia chegou a 61%; entre as mulheres, foi de 52%.

Os números estão entre as descobertas de uma pesquisa realizada pelo Centro Russo de Estudo de Opinião Pública (VTsIOM) em abril.

Apesar da resistência à mudança no padrão tradicional, 72% dos russos revelaram que consideram os homens capazes de criar seus filhos.

As opiniões sobre o papel dos homens na família foram igualmente divididas: 48% dos entrevistados disseram que o homem deve ser o “chefe de família”, e o principal papel é prover sua família em vez de lidar com a criação dos filhos. Outros 46% demonstraram uma posição oposta.

Segundo a diretora de pesquisa do VTsIOM, Elena Mikhailova, já é possível notar mudanças significativas na distribuição dos deveres familiares entre os cônjuges.

“Há uma crescente expectativa de que os pais não cumpram apenas suas funções de provedores materiais, mas desempenhem um papel ativo na educação das crianças em todas as fases de sua socialização – embora o papel deles frequentemente continue a ser considerado como secundário”, afirma. o especialista.

Quarenta e um por cento dos respeitos disseram ainda que o pai influencia no respeito às mulheres e 32% destacaram o papel da figura paterna no estímulo à coragem.

Quer receber as principais notícias sobre a Rússia em seu e-mail? 
Clique aqui para assinar nossa newsletter.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.