População de golfinhos é atraída por obras de ponte para Crimeia

“Golfinhos viraram companhia na construção”, diz engenheira ambiental

“Golfinhos viraram companhia na construção”, diz engenheira ambiental

Most.life
Mais de mil golfinhos, além de 10 vezes mais peixes, foram registrados no estreito de Kerch. Oferta de alimentos cresce devido à proliferação de algas, dizem ecologistas.

O número de animais no estreito de Kerch aumentou após o início das obras da ponte que ligará a península da Criméia à Rússia. Em uma questão de dias, biólogos registraram mais de mil golfinhos nas águas da região, informou um centro local.

Os ecologistas acreditam que eles sejam atraídos pelo aumento da oferta de alimentos  resultante do crescimento de algas e outras plantas marinhas nos pilares da ponte.

A quantidade de peixes na área também aumentou em dez vezes em comparação com os dados registrados no segundo semestre de 2015.

“Sem exagero, os golfinhos viraram companhia nesse projeto de construção”, diz a engenheira ambiental Oksana Fursova, da Taman (agência federal responsável pela gestão de rodovias federais do país).

“Durante a pesquisa ictiológica [dedicada ao estudo de peixes] em novembro de 2016, o número total de golfinhos no estreito de Kerch era superior a mil, incluindo cerca de 200 golfinhos-nariz-de-garrafa do mar Negro”, acrescenta Fursova.

O projeto da ponte, que ligará a Crimeia ao território de Krasnodar, foi apresentado em agosto de 2008. Na época, a península ainda fazia parte do território ucraniano.

As obras tiveram início em em meados de 2015 e devem ser concluídas no ano que vem. Em 2019, será aberta uma ferrovia sobre a estrutura.

Com quase 20 km de extensão, ponte se tornará a mais longa do país 

Confira abaixo fotos de golfinhos e outros animais atraídos pela construção:

(Foto: Most.life)(Foto: Most.life)

(Foto: Most.life)(Foto: Most.life)

(Foto: Most.life)(Foto: Most.life)

(Foto: Most.life)(Foto: Most.life)

Quer receber as principais notícias sobre a Rússia em seu e-mail?
Clique aqui para assinar nossa newsletter.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.