Doutora Liza, pró-vida e contra a guerra

Doutora Liza: "Não estou do lado de ninguém. Estou do lado das crianças fracas e doentes".

Doutora Liza: "Não estou do lado de ninguém. Estou do lado das crianças fracas e doentes".

Serguêi Savostianov/TASS
Humanista e filantropa estava no Tu-154 que caiu no Mar Negro no domingo (25).

 

Quando o presidente Vladímir Pútin condecorou uma das principais filantropas do país, a doutora Elizaveta Glinka, com um dos mais altos prêmios estatais no campo dos direitos humanos, seu discurso de agradecimento era pouco animador.

"Amanhã voarei para Donetsk, e de lá para a Síria", disse a doutora Liza, acrescentando que a guerra era "o inferno na Terra: nunca sabemos se voltaremos vivos".

Mas, infelizmente, a aeronave Tu-154 levando a médica a Latakia, na Síria, com remédios que seriam entregues a um hospital universitário, caiu no Mar Negro no último domingo de Natal. Não houve sobreviventes.

A história da doutora

A morte de Glinka criou uma onda de indignação na mídia e na sociedade russa: ativistas de filantropia, colegas e conhecidos da doutora Liza escreviam mensagens de pêsames e profundo respeito pela médica.

"Ela era um milagre, uma mensagem divina sobre a virtude", escreveu o chefe do Conselho Russo de Direitos Humanos.

A filantropa já foi chamada de "santa" e comparada à "Madre Teresa" por pessoas no país todo, desde funcionários do governo até críticos ferrenhos das autoridades.

Formada em medicina e especializada em emergências, Elizaveta Glinka mudou-se com seu marido para os EUA nos anos 1980. Lá, ela começou a trabalhar em hospitais residenciais.

Então, o sistema de tratamento de doentes terminais na União Soviética apenas começava a ser implementado. Retornando dos EUA, a médica participou do trabalho de hospitais residenciais em Moscou e fundou o primeiro deles em Kiev.

"Todos deveriam ter garantido o direito de uma morte digna, a seu tempo e sem dor", dizia ela.

Em 2007, Glinka fundou a organização de caridade "Ajuda Justa", que ainda funciona no auxílio de pacientes terminais, idosos solitários, deficientes e moradores de rua.

Todas as quartas-feiras, os funcionários da organização visitam as estações de trem de Moscou e proveem com ajuda médica e alimentação os moradores de rua.

Tempos de guerra

Glinka e sua fundação realmente tentavam ajudar a todos. Em 2010, eles coletaram ajuda para vítimas dos incêndios florestais de 2012 e para os sobreviventes das enchentes de Krimsk. Quando a guerra estourou em 2014 no leste ucraniano, Glinka também teve participação no auxílio das vítimas.

A doutora Liza viajou mais de 20 vezes para os locais sob bombardeio, arriscando a própria vida para salvar crianças que estavam em hospitais em meio às hostilidades para evacuá-las.

Ao mesmo tempo, Glinka enfatizava sua rejeição a quaisquer políticos. "Não estou do lado de ninguém. Estou do lado das crianças fracas e doentes, que, por algum motivo, foram deixadas sem assistência", disse a doutora em entrevistas à rádio Kommersant FM.

Ela também dizia que gostaria de colocar todos o políticos que começaram a guerra na UTI para onde eram levadas as crianças de Donetsk para lhes mostrar o que fizeram.

Comprometimento com a causa

A doutora Liza não fazia diferença entre os pacientes nos hospitais, fossem moradores de rua, as crianças de Donbass ou da Síria: ela queria ajudar todos, tentando manter tudo sob controle pessoalmente.

"Como uma médica de sucesso, uma esposa amada e carinhosa, a mãe feliz de três filhos, ela não precisava viajar à Síria uma semana antes do Ano Novo", diz a jornalista Ekaterina Gordeeva, sua amiga pessoal.

Mas, para Glinka, era importante estar "onde as pessoas estivessem sofrendo mais, onde ninguém pudesse ajudar". É por isso que na manhã de 25 de dezembro ela estava à bordo do Tu-154 que rumava à Síria.

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.