Polícia quer introduzir ‘teste de idiotice’ para motoristas embriagados

traffic police. Россия. Курган. 26 сентября 2016. Инспектор ГИБДД регулирует движение на перекрестке.

traffic police. Россия. Курган. 26 сентября 2016. Инспектор ГИБДД регулирует движение на перекрестке.

Alexander Alpatkin/TASSASS
Avaliação psicológica seria reforço para exames e punições já previstas. Faça o teste, baseado em um modelo alemão, e veja se você seria capaz de escapar dessa.

Motoristas pegos alcoolizados na Rússia poderão, em breve, ter de responder a um questionário para provar que estão aptos a dirigir, segundo o vice-chefe da polícia de trânsito no Ministério do Interior russo, Vladímir Kuzin.

O “teste de idiotice”, como veio a ser apelidado no país, seria aplicado paralelamente a outros exames.

Trata-se de um procedimento já comum na Alemanha, porém usado para determinar o nível de embriaguez de motoristas parados pela polícia.

Motoristas que acumulam três ou mais pontos por infrações de trânsito no país são submetidos a um teste psicológico, que inclui perguntas para testar o raciocínio e a capacidade do individuo de aplicar a lógica.

Embora as perguntas possam parecer fáceis à primeira vista, o teste é cheio de pegadinhas.

Medidas adicionais

O sistema alemão é diferente do da Rússia, onde os motoristas são rastreados pelo número de infrações cometidas no trânsito.

Hoje, motoristas que são pegos alcoolizados em território russo são obrigados a refazer o teste sobre o código de trânsito e passar por um exame médico.

“Estas medidas são, em grande medida, usadas para os motoristas que foram detidos em um estado de intoxicação”, disse Kuzin à rádio Vesti.fm.

Segundo ele, a polícia pretende introduzir também exames médicos adicionais para motoristas bêbados, incluindo avaliações por psicólogos e toxilogistas.

Quer saber se você seria aprovado no “teste de idiotice”? Responda às dez perguntas abaixo, que foram retiradas e adaptadas do exame alemão.

Mas atenção! As respostas são mais difíceis do que você pensa.

 

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.