Russos voltam a debater a proibição do aborto

Cerca de 67 mil mulheres foram convencidas a desistir do procedimento em 2015

Cerca de 67 mil mulheres foram convencidas a desistir do procedimento em 2015

Serguêi Veniavski/RIA Nôvosti
Após patriarca assinar petição que defende banimento da prática, outros líderes religiosos e políticos se manifestaram a respeito da proposta. Pasta da Saúde e médicos acreditam, porém, que proibição levaria a aumento de clandestinidade.

O patriarca Kirill, chefe da Igreja Ortodoxa Russa, assinou esta semana uma petição proposta por ativistas conservadores que pedem a proibição do aborto no país, permitido, em certos casos, desde 1955.

No documento, que já tem mais de 300 mil assinaturas, os ortodoxos defendem que a vida começa desde a concepção e pedem que os “cidadãos russos se pronunciem em favor de acabar com a prática de matar legalmente crianças antes do nascimento”.

O apoio declarado do patriarca, embora não tenha causado surpresa devido aos princípios da Igreja, trouxe o tema polêmico de volta à discussão pública.

“Julgando a reação das pessoas, parece que muitos esperavam que o patriarca falasse em nome de uma revolução sexual. Que decepção”, escreveu, ironicamente, o jornalista Ivan Davidov em seu Twitter.

Na Rússia, o aborto é legal até a 12ª semana de gravidez. O país foi o primeiro do mundo a permitir essa prática, sob todas as circunstâncias, ainda em 1920. Ao longo do século 20, no entanto, a legislação sofreu alterações, e o aborto voltou a ser banido em 1936. A lei que vigora até hoje e permite a prática foi restabelecida em 1955.

Primeiro passo para proibição

Após a divulgação da notícia, o assessor de imprensa do patriarca, Aleksandr Volkov, deu uma declaração tentando minimizar os fatos.

“Essa petição não se refere a uma proibição, mas à retirada de abortos do sistema de saúde obrigatório”, disse Volkov, acrescentando que Kirill havia assinado a petição para atrair a atenção da sociedade à questão.

A posição da Igreja Ortodoxa Russa foi também esclarecida pelo chefe do Departamento Sinodal para Relações Igreja-Sociedade e Imprensa, Vladímir Legoida.

“A demanda mais importante hoje é remover o aborto do sistema de saúde público para que as pessoas não apoiam a prática não tenham que custeá-la do seu próprio bolso”, explicou Legoida à agência TASS.

No entanto, segundo o representante ortodoxo, a expectativa é que a futura proibição de abortos financiados pelo Estado seja o primeiro passo para uma sociedade em que tal prática seja proibida em definitivo.

"Um país que mata seus filhos não pode prosperar", lê-se em cartaz de campanha contra o aborto Foto: Aleksêi Kudenko/RIA Nôvosti"Um país que mata seus filhos não pode prosperar", lê-se em cartaz de campanha contra o aborto Foto: Aleksêi Kudenko/RIA Nôvosti

Aliados contra o aborto

Representantes oficiais de igrejas cristãs e muçulmanas na Rússia concordam com a proibição do aborto no país.

Em apoio à posição de Kirill, o supremo mufti da Rússia, Talgat Tadjuddin, qualificou a prática como “infanticídio”.

A nova ouvidora dos direitos de crianças e adolescentes na Rússia, Anna Kuznetsova, também se uniu ao coro dos grupos que pedem a proibição.

“O mundo civilizado inteiro tem se pronunciado contra o fenômeno do aborto; apoiamos essa posição”, declarou Kuznetsova, ressaltando a importância e a eficácia das políticas de Estado na prevenção da prática.

No ano passado, cerca de 67 mil mulheres teriam sido convencidas a desistir do procedimento devido ao programa federal de aconselhamento.

Mais perigo para as mulheres

O Ministério da Saúde da Rússia, no entanto, não tem a intenção de proibir a prática do aborto ou removê-la da lista de procedimentos cobertos pelo sistema de saúde.

Segunda a chefe da pasta, Verônika Skvortsova, introdução de limites para a realização do aborto pode ser perigosa para as mulheres.

“Há certas nuances relacionadas com a possibilidade de estimular abortos clandestinos, especialmente para as pessoas com baixa renda ou menores de idade”, disse Skvortsova à rádio Gorvorit Moskvi.

Além disso, segundo a ministra, o objetivo é também evitar um aumento das mortalidades infantil e materna, o que poderia acontecer com o aperto das restrições.

Em geral, os críticos da proibição ecoam a posição assumida por Skvortsova de que, em vez de acabar com o procedimento, a medida faria com que diversas mulheres procurassem clínicas clandestinas e colocaria mais vidas em risco.

Prova de que a proibição não funciona para o propósito ao qual se destina são as tentativas anteriores de limitar a prática no país, como ocorrido na URSS”, defende Víktor Radzinski, presidente da Sociedade Russa de Obstetras e Ginecologistas.

“Quando a prática foi proibida na União Soviética, entre 1936 e 1955, as mulheres que tentavam o procedimento morriam de sepse [problema que ocorre em pacientes com infecções graves]”, arremata Radzinski.

Quer receber as principais notícias sobre a Rússia em seu e-mail?
Clique aqui para assinar nossa newsletter.

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.