‘Para entender os russos, é preciso falar o idioma’

Pronúncia e gramáticas são principais dificuldades do russo, segundo italiano

Pronúncia e gramáticas são principais dificuldades do russo, segundo italiano

Arquivo pessoal
O poliglota italiano Luca Lampariello ficou conhecido por falar 12 línguas fluentemente, incluindo a russa. Em seus blogs, dá conselhos e dicas de como aprender tantos idiomas sem dificuldade. Em entrevista à Gazeta Russa, Lampariello fala sobre macetes de aprendizagem e importância de expandir horizontes.

Quando e por que você começou a aprender russo?

L.L.: Comecei a estudar russo há 12 anos. No começo, eu só queria aprender uma nova língua, alguma que fosse diferentes das outras línguas europeias que eu conhecia na época. Queria entender a estrutura da língua. Então conheci uma jovem russa e meu objetivo mudou: eu queria socializar em russo.

Qual é a maior dificuldade no idioma russo?

L.L.: Definitivamente os casos [gramaticais]. Mas também a gramática em geral. Além disso, a pronúncia é difícil. Mas, sendo italiano, a pronúncia é mais fácil para mim. Temos muitos sons semelhantes. Em relação à gramática, o problema não é que a russa é difícil. O problema é que muitas pessoas que tentam aprender russo não sabem como estudá-lo. A coisa mais importante aqui é o método – é preciso saber como você vai estudar o idioma. A gramática vai sendo assimilada quando se usa a língua todos os dias. É necessário apenas socializar o máximo possível.

Você tem algum conselho para quem está querendo começar a aprender russo (e basicamente qualquer outra língua estrangeira)?

A primeira coisa é motivação. Você deve ter uma ideia clara do porquê está aprendendo a língua. Em segundo lugar, você deve se preparar psicologicamente. Muitas pessoas têm medo de sair de sua zona de conforto. Elas dizem: “Eu não serei capaz. Não consigo lembrar as palavras e assim por diante”. É preciso entender que se pode aprender qualquer língua. Não há nada impossível. O importante é encontrar o seu próprio método. Em terceiro lugar, não se force. Aprender uma língua deve ser uma experiência agradável. Não se sinta obrigado a fazer o que não quer.

Lampariello: "Russos e italianos têm muito em comum" Foto: Arquivo pessoalLampariello: "Russos e italianos têm muito em comum" Foto: Arquivo pessoal

O problema com as escolas é que elas forçam as crianças a aprender línguas, e isso não é certo. Consequentemente, muitas dessas crianças perdem o desejo de aprender idiomas pelo resto de suas vidas. Em circunstâncias naturais, as crianças tendem a aprender línguas muito facilmente. Elas simplesmente falam e lembram de tudo. E, por fim, a língua é a chave para compreender culturas alheias e pessoas novas.

O conhecimento do idioma te ajudou a entender melhor a Rússia e os russos?

L.L.: Claro! Eles acham que o russo é uma língua muito difícil e, quando ouvem um estrangeiro falando o idioma deles, ficam surpresos. Para conhecer e compreender os russos, é preciso falar o idioma. Também é importante viajar ao país e estar cercado por russos. É uma maneira completamente diferente de socialização.

Quantas vezes você já foi à Rússia? Quais foram suas impressões?

L.L.: Já fui quatro vezes para a Rússia. Eu realmente gosto de lá. Quando cheguei, eu disse: “Uau”. É um país tão grande e bonito, tenho uma afinidade espiritual com ele. Em geral, os russos e os italianos têm muito em comum.

Quando eu cheguei ao país pela primeira vez, fiquei espantado com a quantidade de neve nas ruas. Era final de março. De Moscou, que ainda tinha um pouco de neve em alguns lugares, eu viajei para São Petersburgo e fiquei chocado ao encontrar ainda mais neve por lá. Nunca tinha visto tanta neve, ainda mais no final de março! Também fiquei muito impressionado com São Petersburgo.

Naquela época, eu falava um pouco de russo, mas, depois daquela viagem, eu queria não só me comunicar, eu queria ter comando da língua, fazer parte da cultura. Na Rússia, visitei não só Moscou e São Petersburgo, mas também pequenas cidades, como Serpukhov. Gostaria de visitar o país novamente. Quero muito ir a Kazan, ouvi dizer que esta é uma cidade muito bonita e emocionante.

Fonte: YouTube/Luca Lampariello

Você já tinha uma namorada russa. Há algo de especial nas mulheres russas?

L.L.: Só posso dizer que as garotas russas são realmente muito femininas e atraentes. Na minha opinião, em termos de interação entre os sexos e organização da família, a Rússia me lembra a Itália há 40 anos. Lá as pessoas pensam de forma diferente.

Que língua você está estudando agora? Pretende estudar outras no futuro?

L.L.: Agora estou estudando o idioma húngaro. Também quero aperfeiçoar o conhecimento das línguas que já sei. Por enquanto, não pretendo aprender línguas novas, mas quem sabe... Em geral, eu não escolho o idioma, ele que me escolhe.

Quer receber as principais notícias sobre a Rússia em seu e-mail?
Clique aqui para assinar nossa newsletter.

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.