Com crise, russos se dedicam ao chinês e inglês

Número de russos buscando idiomas por motivos profissionais aumentou 11% em relação ao ano passado. Aumento da busca por idiomas mesmo em tempos de crise se registra em outros países, como Brasil.

Número de russos buscando idiomas por motivos profissionais aumentou 11% em relação ao ano passado. Aumento da busca por idiomas mesmo em tempos de crise se registra em outros países, como Brasil.

Valery Sharifulin / TASS
Mesmo com orçamentos individuais reduzidos devido à conjuntura econômica, Rússia e Brasil registraram aumento na busca por idiomas estrangeiros. Rússia ocupou 10° lugar entre as nações que mais buscam aprender on-line.

Com a crise econômica, os russos começaram a se dedicar mais a aprender línguas estrangeiras. Em 2015, o mercado de aprendizagem de línguas estrangeiras cresceu 6% no país, alcançando os US$ 450 milhões, de acordo com a consultoria de análises Ambient Insight.

O maior aumento é observado no segmento de cursos on-line. Hoje, a Rússia ocupa 10º lugar no ranking de aprendizagem de línguas pela internet. Os cinco primeiros países da lista são a China, os EUA, a Coreia do Sul, o Japão e o Brasil.

"É interessante que, mesmo em países com condições econômicas graves, como o Brasil, Venezuela, Finlândia, Ucrânia, Rússia e Grécia, cresce a renda proveniente da aprendizagem de inglês on-line”, lê-se em relatório da Ambient Insight.

Durante os últimos cinco anos, o mercado global de aprendizagem de línguas on-line praticamente quadruplicou, ultrapassando os US$ 2,8 bilhões.

"O mercado russo de educação on-line está experimentando uma explosão de crescimento. Especialistas preveem que esse aumento será de, pelo menos, 25% ao ano", diz a proprietária da rede de escolas de línguas estrangeiras Alibra School, Anna Bérkovitch.

Apesar do fácil acesso aos cursos pela internet, a principal desvantagem desse tipo de aprendizagem seria a baixa motivação dos alunos, segundo Bérkovitch.

"As estatísticas mostram que até 90% dos estudantes não completam os cursos on-line. Por isso, hoje, a tendência mais popular é a tal chamada 'blended learning', uma combinação dos formatos on-line e tradicional”, diz.

Nichos linguísticos

A demanda pelo inglês de negócios e outras formas especializadas da língua também tem crescido.

As agências estatais russas, por exemplo,  são as principais clientes do inglês de aviação. Na Rússia, há 15 companhias aéreas estatais consumindo esse tipo de serviço de aprendizagem digital especializada para seus funcionários.

A crise também teria tido seu papel na motivação da aprendizagem de línguas estrangeiras na Rússia, de acordo com Berkovich.

"Durante a crise, o conhecimento de línguas estrangeiras ajuda a aumentar as vantagens competitivas em um mercado de trabalho fraco", explica.

Uma pesquisa realizada em 2016 entre estudantes da escola Skyeng mostra que 59% dos estudantes aprendem a língua por razões profissionais, um aumento de 11% em relação aos indicadores de 2015.

Orientais em voga

Uma tendência digna de nota na atualidade foi o aumento da popularidade das línguas orientais, especialmente o chinês.

Em 2014, esse idioma tornou-se o quarto o mais popular nas escolas de Moscou.

O interesse pela língua chinesa também é estimulado por empregadores chineses, que começaram a chegar ao mercado russo devido ao barateamento da força de trabalho russa.

Segundo o Headhunter.ru, maior site de recursos humanos da Rússia, o número de vagas para aqueles que conhecem a língua chinesa saltou de 993, em 2011, para 3.910, em 2015.

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.