Pequenos agricultores querem unir-se ao governo

Agricultores planejavam viajar 1,5 mil km até Moscou, mas foram detidos a 300 km da capital

Agricultores planejavam viajar 1,5 mil km até Moscou, mas foram detidos a 300 km da capital

Fiódor Larin/TASS
Agricultores de Krasnodar organizaram carreata de tratores até Moscou em protesto contra dominação de grandes empresas.

Em 21 de agosto, uma coluna de 17 tratores começou uma carreata da aldeia de Kazánskaia (1,5 mil km a sul de Moscou) até a capital russa para se encontrar com Pútin e informar o presidente sobre casos de corrupção e incursões de grandes empresas agrícolas na região.

Segundo os manifestantes, as grandes corporações enganam os moradores locais para comprar suas terra e subornam os juízes.

"Eles estão roubando nossa terra e colheita, e ninguém pode nos ajudar”, diz um dos organizadores dos protestos, Aleksêi Voltchenko.

“As autoridades regionais não querem resolver nossos problemas, embora já tenha sido criado um grupo de trabalho especial”, diz.

Os agricultores queriam viajar 1.500 km até a capital russa, mas foram detidos a 300 km de Moscou. A coluna foi bloqueada pela polícia.

Agora, os agricultores se encontram em um hotel em Rostov. Eles se recusam a encontrar o governador da região, Veniamin Kondratiev, e querem falar diretamente com o presidente russo.

O governo regional declara fazer o suficiente para defender os direitos dos agricultores.

O porta-voz do governador para a temática, Viatcheslav Lekhkodukh, declarou que o problemas está no fato de que os agricultores "não realizam os procedimentos legais necessários".

Razões econômicas

A carreata de tratores no sul da Rússia é um ato desesperado dos pequenos agricultores, cujos problemas são muito comuns na Rússia, acredita o analista da consultoria financeira TeleTrade, Mark Goikhman.

Segundo ele, as pequenas empresas são o "elo fraco" no complexo agroindustrial.

“Os grandes produtores sempre foram uma prioridade para o Estado”, diz Goikhman.

A Rússia é o segundo maior exportador mundial de grãos do mundo. 

A produção de grãos é o setor agrícola mais lucrativo e é controlado por grandes produtores.

De acordo com o especialista em macroeconomia da consultoria financeira Open Broker, Seguêi Khestanov, o governo russo prefere apoiar as grandes empresas, cujos lucros e dimensões crescem rapidamente.

Os pequenos agricultores, porém, estão perdendo mercado, o que aumenta as tensões e incentiva os movimentos agrárioa revoltosos.

"O crescimento dos grandes produtores corresponde a uma tendência mundial. Nos países desenvolvidos, cerca de 2,5% da população trabalha nesse setor”, diz Khestanov.

O analista da empresa financeira Finam, Timur Nigmatúllin, diz que as grandes empresa estão aumentando a produtividade no setor agrícola.

“A situação nesse setor é muito melhor do que na economia em geral. Hoje, observamos um forte processo de substituição das importações agrícolas, a desvalorização do rublo e o apoio do Estado", diz Nigmatúllin.

De acordo com o serviço de estatísticas da Rússia Rosstat, em 2015, a produção no setor agrícola aumentou 3%, enquanto nas indústrias, em geral, caíram 3,4%.

Silêncio pré-eleitoral e concessões

De acordo com o analista político e professor do Instituto de Relações Internacionais de Moscou, Valéri Soloviov, na Rússia, os manifestantes frequentemente preferem ignorar as autoridades regionais e dirigem-se diretamente ao presidente.

“O governo decidiu parar a manifestação porque não está interessado na cobertura desse protesto na mídia, o que poderia levar ao surgimento das novas ondas de protesto”, diz Soloviov.

Mas, segundo ele, o governo regional pode satisfazer diversas exigências dos manifestantes para acalmar a situação antes das eleições para a câmara, que serão realizadas em setembro deste ano.

“O objetivo principal é atingir paz a qualquer preço, embora, no longo prazo, o governo deva continuar a apoiar os grandes produtores”, completa Soloviov.

Quer receber as principais notícias sobre a Rússia em seu e-mail? Clique aqui para assinar nossa newsletter.

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.