Orgulho nacional expõe duas Rússias diferentes, segundo pesquisa do Levada

Celebração do Dia da Bandeira Nacional, em Stavropol

Celebração do Dia da Bandeira Nacional, em Stavropol

Reuters
Apesar de alto índice, motivos para considerar ‘grande potência’ são diversos, demonstra estudo do Centro Levada. Enquanto parte da sociedade apoia a militarização, outra parcela menor reclama por falta de liberdade e direitos.

O orgulho dos russos em relação ao país de um modo geral, e sobretudo à Rússia contemporânea, apresenta grandes diferenças, segundo revelou um novo estudo elaborado pelo instituto independente de pesquisa Centro Levada, em Moscou.

Ambos aumentaram significativamente desde 2014 de março, após a reintegração da Crimeia, mas o orgulho nacional, independentemente da época, continua sendo o mais forte. Segundo a pesquisa, 80% nutrem tal sentimento, e o número praticamente manteve-se inalterado nos últimos dez anos de estudos do Levada.

Paralelamente, o orgulho pela Rússia contemporânea disparou de 48% em 2006 para 68% em 2016. A maior taxa de crescimento foi registrada em 2014, como resultado da crise ucraniana e da reintegração da Crimeia. O índice saltou então de 53% para 69%, atingiu seu auge de 70% em 2015, e voltou a cair para 68% este ano.

Motivos de orgulho

Os motivos pelos quais os russos sentem orgulho do país também não apresentou mudanças consideráveis ao longo da última década. As principais razões apontadas são: história (44%), abundância de recursos naturais (38%) e forças armadas (36%).

Embora citados, economia, educação, sistema de saúde e os próprios russos são secundários na avaliação dos respondentes, segundo o relatório do Levada.

Orgulho por conquistas esportivas e pela posição da Rússia no cenário global foram, porém, os que menos apontados desde 2015, devido ao escândalo de doping envolvendo atletas russos e às tensões nas relações com EUA e União Europeia.

Além disso, o índice de pessoas que dizem ter orgulho da Rússia por causa de sua extensão cresceu de 9% para 21%, o que, segundo os autores, revela “a importância do fator territorial para a identidade nacional de um número significativo de russos”.

Grande potência

O conceito que define “grande potência” parece, no entanto, ter mudado no último ano, com muitos cidadãos priorizando a força militar (48%).

Embora, em 2015, 58% dos entrevistados vissem a Rússia como uma grande potência por causa do bem-estar da população e do potencial econômico do país, esses fatores foram citados por apenas 39% dos respondentes em 2016. O número de russos que pensam que os direitos civis e a liberdade (10%) são razões importantes para considerar seu país “grande” também foi o menor registrado.

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.