Universidade de São Petersburgo quer atrair estrangeiros, diz reitor

Número de alunos estrangeiros dobrou nos últimos anos, segundo Kropatchev

Número de alunos estrangeiros dobrou nos últimos anos, segundo Kropatchev

Press Photo
O reitor da Universidade Estatal de São Petersburgo, Nikolai Kropachev, fala à Gazeta Russa sobre os tipos de profissionais estrangeiros em demanda na instituição e como cientistas internacionais podem acessar os recursos do Parque de Pesquisa.

Há muito tempo a Universidade de São Petersburgo (SPbU, na sigla em inglês) é ofuscada pela Universidade Estatal de Moscou. No entanto, em muitas áreas, incluindo o acesso a equipamentos de pesquisa ou publicações acadêmicas, e em grau de globalização, a SPbU está começando a ultrapassar a sua principal rival.

“Nossa universidade gasta atualmente cerca de US$ 3 milhões ao ano para garantir acesso a recursos acadêmicos on-line, a mesma quantia que a pasta da Educação e Ciência russa gasta na compra de recursos de biblioteca”, disse à Gazeta Russa o reitor da SPbU, Nikolai Kropatchev.

Além de fontes on-line e revistas acadêmicas recentes, a instituição tem investido em livros raros e manuscritos que já somam 6,8 milhões de itens, incluindo coleções exclusivas. Em entrevista, Kropatchev fala sobre o que mais a universidade pode oferecer aos estudantes e pesquisadores estrangeiros.

Que tipo de especialistas estrangeiros a universidade atrai?

Temos acadêmicos de renome internacional e líderes em suas áreas trabalhando para nós. Por exemplo, o vencedor do Prêmio Nobel de Economia em 2010, Christopher Antoniou Pissarides. O vencedor da medalha Fields em Matemática [muitas vezes descrito como o Prêmio Nobel de Matemática], o professor Stanislav Smirnov, graduado pela nossa universidade, dirige o Laboratório Tchebichev desde 2010.

Há ainda o professor Stephen J. O'Brien no comando do Centro Theodosius Dobjanski para Bioinformática do Genoma. Ele veio dos EUA há cinco anos, e hoje só trabalha para a Universidade de São Petersburgo, onde conduz o projeto “Genoma Rússia”. Uma de suas maiores realizações recentes mais conhecidas foi o sequenciamento do DNA do tigre de Amur e da chita, entre outros animais.

Mas também estamos interessados ​​em alunos de pós-doutorado. Nos últimos anos, tivemos mais de 150, sendo a maioria proveniente de universidades de fora da Rússia. A ideia é atrair talentos que estudem com a gente e depois continuem trabalhando na universidade como professores ou pesquisadores.

Muitas universidades russas não fornecem a estrangeiros ou pessoal de fora da universidade acesso a equipamentos de pesquisa. Como essa questão está sendo trabalhada na SPbU?

O nosso Parque de Pesquisa se estende por uma área de mais de 30 mil metros quadrados que abrigam mais de US$ 200 milhões em equipamentos avançados. E está igualmente aberto a usuários internos e externos: graduados e estudantes de pós-graduação, doutorandos e funcionários. Basta preencher um formulário de inscrição on-line e enviar o seu tema de pesquisa. Estudantes de pós-graduação e doutorado podem obter acesso ilimitado às instalações caos seja relevante para o seu programa de pesquisa. Por exemplo, um historiador poderia usar equipamentos disponíveis no Parque de Pesquisa para analisar um registro histórico ou estudar a composição do papel em que um documento histórico foi escrito.

Como funciona esse registro on-line?

O registro é feito no portal da Universidade de São Petersburgo. No site, também é possível monitorar facilmente a posição em que se está na lista de espera para usar um equipamento específico e ver quem está à frente na fila. No ano passado, o número total de usuários chegou aos 3.000. Mais da metade foram pessoas que não trabalham na nossa universidade. São cientistas de todo o mundo: América, Europa e Ásia.

Se alguém quiser fazer uma pesquisa independente, mas trabalha em outra universidade, também pode vir. Nós podemos fornecer a essas pessoas alojamento temporário, mas é preciso ter um certificado confirmando as habilidades para operar o equipamento em questão.

Que tipo de hospedagem é oferecida?

Disponibilizamos apartamentos vagos aos pesquisadores e professores que vêm trabalhar na universidade. Cerca de 100 apartamentos já estão ocupados. Se necessário, estamos preparados para aumentar o número de vagas para pesquisadores e professores de outras cidades e países que vêm trabalhar aqui.

E em relação aos estudantes, o número de estrangeiros também vêm crescendo?

Nos últimos anos, esse número mais do que duplicou. Antes, os estudantes estrangeiros vinham até nós principalmente para estudar língua e literatura russa. Agora, muitos estão mostrando interesse em outros campos também: Direito, Jornalismo, Relações Internacionais, Economia e Medicina. A faculdade de administração da Universidade de São Petersburgo, por exemplo, ocupa o 46º no ranking do Financial Times e é o único estabelecimento de ensino russo nesta lista.

O que mais vocês têm feito para atrair estrangeiros?

Duas coisas. Incorporar aspectos relacionados com outros países no currículo, e convidamos profissionais, inclusive estrangeiros, que tenham a oportunidade de influenciar o processo de aprendizagem. Essas pessoas avaliam os professores, os requisitos estabelecidos para os cursos, ajudam a definir as áreas para pesquisa e as competências que os formandos devem ter.

Por exemplo, o embaixador iraniano para a Rússia é professor na Universidade Estatal de São Petersburgo. Com sua ajuda, estamos desenvolvendo um conjunto de programas relacionados com o estudo das relações Rússia-Irã. Seguindo o mesmo padrão, cooperamos ativamente com China, Coreia do Sul e outros países.

Gostaria de receber as principais notícias sobre a Rússia no seu e-mail?   
Clique aqui para assinar nossa newsletter.

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.