Indignação, inveja e traição: o que os russos pensam sobre a Ucrânia

Protesto em frente à embaixada russa em Kiev pela libertação de piloto ucraniana

Protesto em frente à embaixada russa em Kiev pela libertação de piloto ucraniana

Reuters
Pesquisas mostram que governo teve mais apoio da população em campanha na Síria.

Em entrevista à publicação “Russia Direct”, o diretor de pesquisa do instituto independente Centro Levada, Aleksêi Levinson, explicou a percepção dos russos sobre os conflitos na Ucrânia e na Síria.

RD: Parece que os russos começaram a prestar mais atenção à Síria desde o início da campanha militar no país. Você concorda com essa percepção?

AL: Não, as nossas pesquisas não mostraram um crescimento do interesse dos russos pela Síria por conta do envolvimento da Rússia no conflito do país. A campanha militar na Síria atraiu menos interesse do que os acontecimentos na Ucrânia. Os eventos no Donbass foram muito mais importantes para os russos por várias razões.

Em primeiro lugar, a Ucrânia é um país vizinho com uma história comum e com o qual a Rússia e seus cidadãos têm muitas ligações. Segundo, as tentativas de Kiev de se juntar à União Europeia e se distanciar da Rússia provocaram uma resposta muito controversa por parte dos russos: foi uma mistura de indignação, raiva e traição.

Terceiro, a ideia de integração com o Ocidente e com a União Europeia não é nova para a sociedade russa, que já seguiu esse caminho nos anos 1990.

A situação na Síria é completamente diferente. Os russos não têm nenhuma razão para prestar muita atenção aos acontecimentos nesse país árabe. Todas as tentativas de encontrar laços históricos, como, por exemplo, o fato de que a Síria é o berço do cristianismo ortodoxo ou de que esse país é um velho aliado da Rússia, falharam. Até a ideia de combater o terrorismo mundial na Síria não foi bastante convincente para os russos.

Aleksêi Levinson, head of Levada Center’s Analytical Department Foto: Russia DirectLevinson: "No caso da Ucrânia, os objetivos foram difíceis" Foto: Russia Direct

É justo afirmar que o Kremlin lançou a campanha militar na Síria para distrair a opinião pública sobre o conflito na Ucrânia?

Não posso negar que diversos políticos russos tentaram atingir esse objetivo e devo admitir que, de alguma forma, eles conseguiram distrair a atenção da população.

Afinal de contas, é uma questão de diversificação da cobertura dos canais de televisão russos: em vez de mostrar imagens dolorosas do leste da Ucrânia, as pessoas começaram a ver os caças russos que bombardeiam os terroristas na Síria. Essas imagens têm um grande potencial para atrair a atenção.

Por que 68% dos russos apoiaram a campanha militar do Kremlin na Síria?

tin é o líder nacional. Ele tomou a decisão e prometeu proteger o presidente sírio, Bashar al-Assad. Os russos apoiaram a campanha militar na Síria como um reflexo de seu grande respeito pelo presidente. No entanto, as razões ideológicas para o envolvimento da Rússia na guerra síria foram muito fracas.

Os russos apoiam não o discurso político sobre o futuro da Síria, mas o presidente russo. Quando Pútin decidiu retirar as tropas da Síria, 81% da população apoiou essa decisão, enquanto apenas 7% se manifestou contra. Isso mostra que a população apoia todas as decisões tomadas por Pútin. 

Há um outro exemplo disso. A deterioração abrupta das relações entre a Rússia e a Turquia se deve não à derrubada de um avião russo pelas Forças Aéreas da Turquia, mas à resposta de Pútin. Ele deu o sinal verde ao movimento antiturco na Rússia.

A campanha de informação sobre a Síria foi mais bem sucedido do que a campanha sobre a Ucrânia?

No caso da Ucrânia, os objetivos foram muito difíceis. O Kremlin teve que convencer as pessoas de que não havia tropas russas no leste da Ucrânia, o que não correspondia à verdade. Mudar a atitude dos cidadãos russos em relação à Ucrânia é extremamente difícil.

Neste contexto, a campanha de informação sobre a Síria foi muito mais fácil. Na verdade, conquistar a opinião pública russa não foi o objetivo principal da operação militar no país árabe. Pútin enviou Forças Aeroespaciais russas à Síria por motivos políticos. Foi um passo muito bem sucedido para fortalecer a posição da Rússia no cenário internacional.

As pesquisas de opinião pública mostram que os russos não entendem claramente o que é o Estado Islâmico. Os russos não têm medo das ameaças terroristas?

A maioria da população russa admite que o risco de atentados terroristas existe. Eles veem o Estado Islâmico e os terroristas do Cáucaso do Norte como as maiores fontes de ameaça, mas não há pânico ou medo excessivo.

Texto originalmente publicado pelo Russia Direct

Russia Direct é um veículo de análise focado em política internacional. Seus serviços premium, como informes mensais ou os trimestrais “White Papers”, são gratuitos, mas estão disponíveis apenas para assinantes. Para obter mais informações, visite russia-direct.org/subscribe.

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.