Aos 120 anos, russa desmente ‘Guinness’ como a mulher mais velha do mundo

Idade avançada faz de moradora de Krasnoiarsk celebridade em aldeia local

Idade avançada faz de moradora de Krasnoiarsk celebridade em aldeia local

Elena Melikhova/RG
De Raspútin a Pútin, siberiana sobreviveu a diferentes conflitos e regimes. Apesar de descoberta, registro oficial no livro dos recordes pertence à norte-americana Susannah Mushatt Jones, que nasceu três anos antes.

A siberiana Tanzilia Bisembéieva, moradora da região Krasnoiarsk, foi reconhecida como a mulher mais velha do mundo e poderá entrar para o livro dos recordes “Guinness”. No último dia 14 de março, Bisembéieva completou 120 anos.

Celebridade em sua aldeia, Islamgaza, onde viveu por toda a vida, Bisembéieva nasceu nos tempos de Rússia tsarista, viveu a Revolução, a Segunda Guerra Mundial, a mudança de regimes e líderes, a queda da URSS, a desvalorização do rublo e várias crises. Paralelamente, acumulou 3 filhos, 10 netos, 24 bisnetos e 2 tataranetos.

“Minha mãe viu muitas coisas ao longo de sua vida. Viveu desde o tempo de Raspútin à época de Pútin. Passou a vida inteira trabalhando”, diz um dos filhos, Chintas Bisembeiev.

Tanzilia casou-se pela primeira vez antes da guerra, mas a alegria durou pouco: seu marido foi chamado para a frente, de onde nunca mais voltou. Quando o conflito terminou, já estava com 49 anos. Naquela época, não tinha família nem filhos.

Em pouco tempo, porém, um senhor cazaque, já de idade avançada, propôs casamento a Tanzilia. Aos 53 anos, deu à luz o primeiro filho. Um ano depois, teve o segundo, e, aos 57 anos, tornou-se mãe pela terceira vez.

Segundo os familiares, a senhora de 120 anos possui um estilo de vida bastante saudável. Além de se manter ativa, não fuma e só se alimenta de produtos naturais. A vista também só começou a dar os primeiras sinais de falha aos cem anos.

Hoje Tanzilia não sai mais à rua, mas realiza todas as tarefas de casa e se declara autossuficiente e sabe “de tudo que está acontecendo ao seu redor”, conta o filho.

Os três filhos de Tanzilia, todos aposentados, vivem atualmente com mãe. Questionados sobre o segredo da longevidade da matriarca, respondem: “Ela é muito boa e sempre positiva perante a vida. E só vê o lado bom das pessoas”.

O registro oficial do “Guinness” pertence à norte-americana Susannah Mushatt Jones, que era três anos mais jovem do que Bisembéieva e faleceu nesta sexta-feira (13).

Originalmente publicado pela Rossiyskaya Gazeta

Gostaria de receber as principais notícias sobre a Rússia no seu e-mail? 
Clique aqui para assinar nossa newsletter.

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.