Batalha da rima na política russa

Na mesma moeda: Dmítri Bikov recebeu resposta do ministério na mesma moeda. Foto: Aleksandra Mudrats / TASS

Na mesma moeda: Dmítri Bikov recebeu resposta do ministério na mesma moeda. Foto: Aleksandra Mudrats / TASS

Poeta critica em versos iniciativa ministerial ligada a futebol, ironizando até um ideário nacional que ligaria Brasil e Rússia, e pasta responde na mesma moeda.

A pop porta-voz russa do Ministério dos Negócios Estrangeiros, figura que vem ascendendo nas redes sociais desde que julho de 2015, quando começou a publicar posts engraçadinhos sobre os bastidores de uma das pastas mais importantes do país, voltou às manchetes nesta quarta-feira (30).

Desta vez, Maria Zakhárova, 40, resolveu travar uma batalha de rimas. A tarefa, porém, é ingrata: sua pena se volta contra a de um dos mais famosos poetas vivos do país, o oposicionista Dmítri Bikov, 48.

"Bikov é jornalista, poeta e crítico literário, um dos intelectuais mais prolíferos e importantes da Rússia atual", explica Eloah Pina, pesquisadora do programa de Cultura e Literatura Russa da USP (Universidade de São Paulo) que está traduzindo sua obra "Contos de Ferrovia" (ainda sem editora).

Tudo começou quando o escritor publicou, na terça-feira (29), um poema satírico acerca da criação, no dia anterior, pelo ministro dos Negócios Extrangeiros, Serguêi Lavrov, e o da Defesa, Serguêi Choigu, de uma "Liga Popular do Futebol". A agremiação teria o intuito de reunir jogadores não profissionais com mais de 45 anos de idade para torneios pelo país inteiro.

Dentre outras alfinetadas, Bikov chega a dizer em seu poema "Ministros-jogadores" que a "ideia nacional" criada por Choigu e Lavrov "não é pior que a brasileira" e que o país está protegido das sanções agora que tem um campeonato "de quintal".

"Conhecedor profundo da tradição literária russa, o que pode ser verificado em seus ensaios e na biografia que escreveu de Pasternak, Bikov tem sua produção intelectual totalmente inserida nas discussões do que é a literatura e a cultura russa, do que é ser russo, e daquilo a que chamamos 'alma russa'. Por isso, para ele, colocar a política no fazer literário e, sobretudo, poético, é inevitável. E o que ele escreve é sempre irônico, mordaz, desconfortável, no sentido de te fazer pensar, de te obrigar a ter um posicionamento", explica Pina. 

Foreign Ministry Spokesperson Maria Zakharova at a news conference by Foreign Minister Sergey Lavrov and US State Secretary John Kerry after a meeting with President Vladimir Putin at the Kremlin. Foto: Sergey Guneev/RIA NovostiBikov aclamou a resposta em versos da porta-voz dos Negócios Estrangeiros, mas deu a entender que o poema não faz sentido. Foto: Serguêi Guneev/RIA Novosti

Apesar de ter caracterizado a ação de Zakhárova como "magnífica", o poeta deu a entender que a obra da porta-voz da chancelaria russa não faz muito sentido.

"Não posso fingir que eu tenha entendido profundamente a poesia dela. Pelo que eu consegui depreender da leitura que você fez, o poema foi elaborado com base no gênero da lírica sugestiva, quando o próprio leitor deve adivinhar sua essência. Nos versos dela não há a clareza que minhas produções poéticas têm", disse a um repórter do portal Gazeta.Ru que apresentou a produção da porta-voz ao opositor.

Poema como arma política

Pina relembra que o uso de uma ironia política e poética por Bikov, como no caso da iniciativa dos ministros, não é novidade.

"Quando [o ex-premiê Boris] Nemtsov morreu [assassinado em  2015], ele fez um poema sobre o caso, que declamou em uma palestra em Londres", conta.

Por anos, Bikov também declamou junto ao ator Mikhail Efremov, paródias de poemas clássicos russos de acordo com a situação política do momento em um programa na TV paga chamado "Grajdanin poet" (do russo, "Cidadão poeta"). 

O próprio nome do programa, que hoje só é transmitido pela internet, remete a um poema de Nikolai Nekrassov (1821-1878) e, nele, Bikov se baseava em produções de Aleksandr Púchkin, Aleksandr Blok, Anna Akhmátova e outros.

"O fato de isso ter passado na TV e as pessoas reconhecerem, com facilidade, a intertextualidade incrível! Quanto ao poema desta semana, dá para perceber o quanto as questões da Rússia não estão tão distantes assim como as pessoas aqui imaginam. De certa forma, vivemos a mesma problematização em relação ao esporte no caso das Olimpíadas no Rio. E, ao estudar Bikov, tenho a sensação de que faltam intelectuais engajados que dêem esse alcance as nossas questões políticas", completa Pina.

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.