País investe US$ 3 milhões para atrair compatriotas de volta

Apesar de investimento alto, retorno de russos é mais baixo que o esperado

Apesar de investimento alto, retorno de russos é mais baixo que o esperado

Alexander Ryumin/TASS
Analistas acreditam que gasto esteja relacionado a afluxo de refugiados da Ucrânia à Rússia

O governo russo divulgou nesta quarta-feira (23), que investiu 200 milhões de rublos (cerca de R$ 10 milhões) em regiões que conduzem o programa de retorno voluntário de compatriotas à Rússia.

O programa foi criado para resolver uma situação criada com o queda da URSS, quando muitos russos permaneceram além das fronteiras russas, além de atrair  mão de obra ao país.

De acordo com o governo, os recursos são destinados em forma de subsídios a 59 regiões federativas da Federação da Rússia. "A decisão tomada [de se destinar os recursos] permite criar condições para a recepção dos compatriotas e aumentar o potencial de trabalho das regiões da Rússia", lê-se em comunicado governamental.

Para analistas, o investimento está relacionado, em partes, à chegada de refugiados da Ucrânia na Rússia. O programa também dá a esses a possibilidade de agilizar o processo para receber a cidadania.

A ativista dos direitos humanos Svetlana Gannuchkina, especialista em questões de migração, o governo tem usado o programa para tentar aliviar a situação dos refugiados ucranianos na Rússia.  

O Serviço Federal de Migração afirma que, desde abril de 2014, com o início das operações armadas em Donbass, mais de 1 milhão de refugiados ucranianos entraram na Rússia.

De acordo com o órgão, desde sua criação, em 2007, o programa foi usado por 400 mil pessoas. Desses, 100 mil recorreram a ele em 2014, ou seja, no início dos conflitos no leste ucraniano.

Durante o período de lançamento do programa, o governo declarou acreditar que, somente nos cinco primeiros anos, ele atrairia 700 mil pessoas.

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.