Aprovação do governo Pútin cai 10%, mas se mantém elevada

Aprovação de Pútin teve seu nível mais baixo em 2013, com 38%

Aprovação de Pútin teve seu nível mais baixo em 2013, com 38%

EPA / Vostock-photo
Índice estaria retornando ao nível pré-anexação da Crimeia, sugere diretor de instituto. Reeleição do presidente em 2018 é esperada por 65% dos entrevistados.

De acordo com o último levantamento realizado pelo Centro Levada, o maior instituto privado de pesquisas da Rússia, o nível de aprovação do presidente russo Vladímir Pútin caiu 10% ao longo do último ano. Os sociólogos atribuem a queda ao fim da euforia gerada após a reintegração da Crimeia à Rússia.

Em 2015, o índice de russos que diziam “confiar plenamente” e ou ter “bastante confiança” no chefe de Estado chegava a 83%, mas, segundo o estudo recente, essa parcela da população caiu para 73%.

Para o vice-diretor do Centro Levada, Aleksêi Grajdánkin, apesar de o nível de aprovação ser menor do que o registrado em 2015, ainda é relativamente alto.

“Eu não interpretaria os dados apenas em comparação com o ano passado, mas considerando o contexto de todas as pesquisas realizadas ao longo dos últimos 15, 16 anos”, disse Grajdánkin à Gazeta Russa.

“Ao longo dos últimos três anos, documentamos uma onda de confiança e carinho pelo presidente devido aos acontecimentos da ‘Primavera da Crimeia’. Agora, este efeito foi mitigado e o índice de confiança está atingindo seu nível anterior. Mesmo assim, permanece acima do nível de aprovação mínimo registrado para o presidente.”

Grajdánkin lembrou que, após a crise econômica de 2008, o índice de aprovação de Pútin começou a cair, atingindo o seu nível mais baixo em 2013 (38%).

Os resultados da última pesquisa do Centro Levada mostraram ainda que 65% dos russos esperam que Pútin seja reeleito, contra 57% em 2015. Apenas 22% revelaram o desejo ter outra pessoa como presidente (25% em 2015).

Quer receber as principais notícias sobre a Rússia em seu e-mail? 
Clique aqui para assinar nossa newsletter.

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.