Escritório de direitos humanos da ONU baixa as portas em Moscou

ONGs são céticas quanto à justificativa de que missão cumpriu tarefas e é mais necessitada em outros países.

ONGs são céticas quanto à justificativa de que missão cumpriu tarefas e é mais necessitada em outros países.

Reuters
Segundo representante permanente da Rússia na organização, fechamento se deu porque missão cumpriu sua tarefa no país e não há "nada de extraordinário" na ação.

O escritório de direitos humanos na ONU em Moscou baixou as portas oficialmente, como vinha sendo previsto desde o início do mês. O fechamento se dá devido ao fato de que o escritório cumpriu sua missão e não é mais necessário no país, segundo o representante permanente da Rússia na ONU, Aleksêi Borodávkin.

"Podemos agradecer à administração [do escritório] por ter auxiliado em muitas das nossas iniciativas no setor dos direitos humanos. E, agradecendo, finalizar essa missão. Não vemos nada de extraordinário ou anormal nisso", disse à agência Ria Nôvosti.

O escritório estava presente na Rússia desde 2006 e se encarregava de projetos de direitos humanos em diversas áreas: programas educacionais, auxílio a organizações da sociedade civil, entre elas, ONGs (organizações não governamentais), parcerias com centros de pesquisa científica.

Os projetos, porém, serão interrompidos agora ou poderão ser cancelados na ausência do escritório em Moscou, segundo Borodávkin. Não há planos tampouco para reiniciar ou reelaborar o trabalho do escritório na Rússia.

O representante russo também disse que o fechamento possibilitará uma economia de recursos à organização ou o redirecionamento desses a países mais necessitados, e que a parceria poderá prosseguir mesmo após seu fechamento.

Mas defensores dos direitos humanos no país são céticos quanto a essa possibilidade. "Rejeitamos o fato de que havia uma linha a ser seguida", diz Aleksandr Tcherkassov, membro da administração de uma das maiores ONGs do país, a Memorial.

Segundo ele, há estruturas cujo funcionamento é mais efetivo no país que o escritório da ONU, como o Tribunal de Strasbourg, já que suas decisões são obrigatórias. Mas a administração do alto comissariado da ONU tinha sua função de indicador.

"Seu principal mecanismo são as conferências regulares sobre a realização de determinadas convenções, a análise dessas conferências em órgãos especializados da ONU e recomendações de como conduzir a situação da maneira devida. Ou seja, para que o país que se coloca a obrigação sobre determinadas convenções as cumpra. E a Rússia não cumpriu isso muito bem", diz Tcherkassov.

Assim, segundo ele, não se pode fechar o escritório sob o pretexto "de que está tudo bem".

Quer receber as principais notícias sobre a Rússia em seu e-mail? Clique aqui para assinar nossa newsletter.

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.