Dez dias para quebrar o gelo

Só em 11 de janeiro virão as promessas de Ano Novo e a dieta de início de ano.

Só em 11 de janeiro virão as promessas de Ano Novo e a dieta de início de ano.

Na estação mais fria do ano, russos ganham respiro com férias generalizadas.

Todos os anos, de 1 a 10 de janeiro, a Rússia mergulha em uma loucura que mistura o período de festas de Réveillon com as férias de inverno. 

No último dia do ano, as paredes dos supermercados tremem diante das multidões dos que deixam as compras para o último segundo, enquanto o cheiro de mixiricas e de saladas russas invade casas e apartamentos.

A noite é iluminada sem pausa por fogos de artifício, seguidos de gritos de "urá" dos passantes. Mas de 1 a 10 de janeiro, todos ganham uma pausa, seja do trabalho ou da escola.

1 de janeiro

Não há de mais alegre e, ao mesmo tempo, triste, que a visão da mesa da ceia na manhã seguinte ao Réveillon.

Acabando de colocar o pé no ano que entra, os russos deixam de lado questões de higiene e saúde para cair de boca no champagne sem gás e na salada que ficou para fora da geladeira. 

Para aplacar a consciência apagada dos acontecimentos da noite anterior, a população liga os aparelhos de TV.

2 a 6 de janeiro

Neste período, os pais precisam decidir onde levar os filhos para que eles não os enlouqueçam dentro de casa.

É inverno e as temperaturas começam a chegar no que há de pior - ok, o final de janeiro e início de fevereiro sempre pode ser ainda mais arrebatador. 

Mas as cidades russas têm entretenimento o bastante, e as festas populares em parques da cidade, com pistas de patinação no gelo, barracas de doces e brinquedos podem acalmar os ânimos dos pequenos.

Todos os dias dessas férias de inverno parecem um Réveillon em miniatura até a véspera de Natal ortodoxa, que acontece em 6 de janeiro.  

Fogos de artifícios são lançados todas as noites, o champanhe corre solto, as saladas russas são abundantes.  

Claro, há também os mais inspirados, que vão passar uma temporada de sol na Turquia ou no Egito. Neste ano, porém, com as restrições impostas a ambos os países, o mais provável é que os russos curtam as férias no cinema ou em uma de suas muitas exposições de artes.

7 de janeiro

Nesta data, os russos festejam o Natal da Igreja Ortodoxa Russa, apesar de os presentes serem distribuídos na noite de Ano Novo.

Todos os anos, porém, as igrejas ficam mais e mais cheias de gente nas missas, mas as festas ainda não retomaram o status de que gozavam antes da revolução.

Para a maior parte dos russos, o Natal é apenas um pretexto para se reunir com a família em volta de uma mesa e viver um dia calmo e acolhedor.

Nesta data, bebe-se o menos possível. A moderação também toma conta dos que gostam de lançar fogos de artifício.

8 a 10 de janeiro

Começam os preparativos para o ano que começa, e o ambiente festivo começa a se desvanecer. São dias de arrumação e compras para a casa.

No fim das férias de inverno, os cidadãos ganham um alento: amigos e familiares se reúnem, mais uma vez, para fechar a maratona festiva com chave de ouro.

Nessas tranquilas reuniões repetem-se as velhas histórias de família e as piadas de que já ninguém se ri.

11 de janeiro

A calma que as ruas emanam simboliza o fim das férias. No dia 11, os russos admitem que as férias, contra sua vontade, chegaram ao fim. 

É só nesse dia que cada russo relembrará o que fez durante as férias e prometerá ser uma pessoa melhor no ano que começa. 

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.