Com pesquisa e clínica, hospital desenvolve métodos exclusivos

Instituto realiza anualmente mais de 20 mil operações

Instituto realiza anualmente mais de 20 mil operações

Aleksêi Kudenko/RIA Nôvosti
Diretor de antigo hospital de Moscou relata dilemas em cirurgias e aposta na interação do trabalho médico com instituto científico.

Mogueli Khubutia, que um dos mais tradicionais hospitais de Moscou, o N. V. Sklifossovski, acredita que o cirurgião só deva recorrer à operação quando está convencido de que o resultado será positivo. Mas, em sua prática clínica, ele assume ter sido obrigado a violar a própria regra.

“Alguns anos atrás, o diretor de um grande banco passou por um problema grave: os dois rins pararam de funcionar. O paciente já não era jovem, tudo podia acabar mal”, conta. “Ele tinha ido para a Alemanha, mas lá haviam recusado fazer o transplante. Por isso ele voltou a Moscou.”

Khubutia aceitou, então, o paciente e decidiu fazer a operação, apesar das condições críticas. “Quando apareceu o rim de um doador que era compatível, fomos direto para a sala de operação. Já se passaram seis anos, e o homem está vivo, trabalhando”, continua.

Outro caso difícil foi o de um jovem esportista tomava grande quantidade de anabolizantes e cujo fígado cresceu até pegar 8,5 quilos. “No exterior, negaram-se a fazer a operação e disseram que lhe restava apenas três semanas de vida”, recorda o cirurgião.

O atleta chegou ao Sklifossovski em estado grave, e os médicos temiam que ele não fosse sobreviver à operação. “Mesmo assim, fizemos o transplante. Um ano depois, fui convidado para o casamento dele”, conta.

Mogeli Khubutiya, director of the Sklifosovsky Emergency Care Research Institute. Foto: Alexey Kudenko / RIA NovostiSegundo Khubutia, instituto tem como umas das principais áreas de pesquisa a tecnologia celular Foto: Aleksêi Kudenko/ RIA Nôvosti

O pronto-socorro do Instituto de Pesquisas Científicas N. V. Sklifossovski atende por ano mais de 52 mil pacientes, e ali são realizadas cerca de 20 mil operações anualmente.

Ciência e prática

A iniciativa de reunir a clínica e o Instituto de Pesquisas Científicas N. V. Sklifossovski foi uma boa ideia, segundo o diretor do hospital, Mogueli Khubutia.

“Os cientistas podem colaborar muito com os médicos, realizando um enorme trabalho para a cura e o tratamento de doenças tratadas no hospital. Com base na experiência científica, adotamos na prática métodos que não existem nos hospitais comuns”, afirma.

“Atualmente voltamos a nossa atenção para a área de tecnologia celular. A ideia é usar células-tronco no tratamento de queimaduras profundas”, acrescenta o médico.

Sklifossovski em números

O pronto-socorro do Instituto de Pesquisas Científicas N. V. Sklifossovski foi fundado em 1923, a partir de um dos hospitais mais antigos de Moscou, aberto ainda em 1810.

O instituto é um centro clínico-científico para atendimento médico de emergência, traumas por queimadura, envenenamentos graves e problemas cardiológicos de urgência.

Por ano, o instituto oferece atendimento a 52 mil pacientes e realiza mais de 20 mil operações.

A equipe médico-científica é composta por 820 profissionais, entre médicos e pesquisadores.

Publicado originalmente pelo Moskóvski Komsomolets

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.