Crimeia começa a receber energia elétrica via Rússia

Autoridades crimeanas haviam decretado estado de emergência após corte de energia promovido por radicais ucranianos.

Autoridades crimeanas haviam decretado estado de emergência após corte de energia promovido por radicais ucranianos.

Stanislav Krasilnikov/TASS
Entrou em funcionamento a primeira fase do cabo submarino que liga a península com a Rússia continental através do estreito de Kerch.

Após mais de dez dias do corte da luz por rebeldes ucranianos, os moradores da Crimeia começaram a receber energia elétrica a partir do território russo.

O fornecimento é feito por um cabo submarino com potência de 200 MW. Somado às usinas elétricas de gás móveis, o sistema permitirá cobrir cerca de metade da demanda da península.

“Depois de testar o primeiro cabo, o governo planeja lançar a segunda fase. Até 20 de dezembro, a Crimeia começará a receber cerca de 400 a 450 MW de energia da Rússia continental”, anunciou o diretor do fundo de desenvolvimento energético, Serguêi Píkin.

As sanções econômicas da União Europeia e dos EUA contra a Rússia dificultaram o fornecimento de equipamentos de alta tecnologia à região.

A empresa de energia federal assinou um contrato com a chinesa Jiangsu Hengtong HV Power System (HTGD) para o fornecimento dos cabos elétricos por quase US$ 75 milhões, abaixo do valor estimado em maio.

A ponte de energia submarina entre a Crimeia e a Rússia continental começará a funcionar em plena capacidade, de 800 MW, até junho de 2016. O custo total do projeto ultrapassa os US$ 200 milhões.

Com material dos jornais Kommersant e Vedomosti

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.