Contra imposto, caminhoneiros russos bloqueiam estradas

Evguêni Kurskov/TASS
Taxas propostas pelo governo russo vão tornar produtos transportados de 5% a 10% mais caros. Já no Brasil, greve dos caminhoneiros começou a perder força após aumento de multas na quarta-feira (11).

Caminhoneiros russos montaram bloqueios nas estradas de todo o país, pedindo o cancelamento de um novo imposto sobre os veículos de 12 toneladas que circulam pelas rodovias federais.

Mais de 300 caminhões da categoria pararam o tráfego na rodovia federal R-245, em Novosibirsk, na Sibéria. Protestos semelhantes ocorrem também perto de outras cidades grandes do país, como São Petersburgo, Iekaterinburgo e Irkutsk.

Cento e cinquenta motoristas participam ainda de um bloqueio na rodovia Moscou-Crimeia em Belgorod, uma região na fronteira com a Ucrânia.

“Os planos do governo de cobrar um novo imposto sobre caminhões de 12 toneladas revoltou a categoria, mas também produtores e proprietários das mercadorias que utilizam os serviços de transporte”, disse o presidente da Associação Siberiana de Transportadoras, Viatcheslav Trunaiev, à agência Tass.

Segundo dados da associação, o imposto elevaria o custo dos produtos transportados em uma faixa de 5% a 10%.  As transportadoras exigem a redução das taxas e que o sistema seja testado em uma única região durante seis meses antes de ser introduzido em todo o país.

Na segunda-feira passada (9), caminhoneiros brasileiros também iniciaram uma greve, após não terem suas reivindicações atendidas pelo governo federal. O protesto foi aderido em pelos menos 14 Estados no primeiro dia e 9 no segundo.

O aumento de multas e sanções a motoristas que obstruem deliberadamente as rodovias e estradas do país, publicado no “Diário Oficial da União” na quarta (11), fez com quem o movimento perdesse força ao longo do dia.

Com material do jornal The Moscow Times

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.