Ativista é preso depois de atear fogo na porta do FSB

Durante protesto em 2013, Pavlenski pregou testículos no chão da Praça Vermelha

Durante protesto em 2013, Pavlenski pregou testículos no chão da Praça Vermelha

Artiom Geodakian / TASS
Serviço de inteligência foi alvo de artista que já tinha pregado testículo na Praça Vermelha como forma de protesto. “O FSB atua por métodos de terror”, justificou.

O artista russo Piotr Pavlénski foi detido após atear fogo na porta do edifício do Serviço Federal de Segurança (FSB), na praça Lubianka, em Moscou, relatou uma fonte da polícia à agência Interfax nesta segunda-feira (9).

Além de Pavlénski, dois jornalistas que estavam filmando o ato também foram detidos, mas acabaram sendo liberados pouco tempo depois.

As detenções foram confirmadas por Olga Chavdar, advogada de Pavlénski.  O artista é acusado de vandalismo, o que pode lhe render até três anos de prisão.


Fonte: Setevoi Khomiak

Além de lançar um vídeo sobre o ato, Pavlénski disse em um comunicado que “o FSB atua por métodos de terror e mantém o poder ininterrupto sobre mais de 146 milhões de pessoas”.

“O medo transforma pessoas livres em uma massa grudenta de corpos descoordenados”, acrescentou. “A ameaça de represália paira sobre todos que podem ter seus dispositivos rastreados, suas conversas ouvidas, ou seus passaportes controlados nas fronteiras.”

Embora o ativista tenha ganhado elogios nas redes sociais, como os de uma colega do Pussy Riot que se referiu a ele como a “mente, consciência e colhões” da época, Pavlénski também foi alvo de diversas críticas.

“Se alguém ateasse fogo no escritório de um líder da oposição, não do FSB, isso seria instantaneamente visto como um ato terrorista contra a liberdade”, disse Vladímir Soloviov, jornalista e apresentador do canal estatal Rossiya-1.

Pavlénski foi hospitalizado em 2013 após pregar seus testículos, usando um martelo, nos paralelepípedos da Praça Vermelha de Moscou. O ato, ao qual chamou de “Fixação”, foi um protesto contra o governo de Vladímir Pútin.

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.