STF absolve homem por legítima defesa e abre precedente

Caso recente de legítima defesa pode abrir brecha para mais absolvições no futuro

Caso recente de legítima defesa pode abrir brecha para mais absolvições no futuro

Guennádi Guliaev/Kommersant
Morador de Altai matou dois colegas que o agrediram com faca durante briga. Especialistas acreditam que decisão pode influenciar decisões judiciais em casos semelhantes no futuro.

Em 2013, Serguéi Chárikov matou dois companheiros que o atacaram com facas durante uma briga de bêbados em Altai, a quase 3.000 quilômetros de Moscou. O homem foi inicialmente acusado de assassinato, pois, depois de tirar a faca da mãos dos agressores, supôs-se que não havia mais perigo de vida nem necessidade de contra-ataque.

Dois anos depois, porém, o Supremo Tribunal da Rússia analisou um recurso especial e anulou a sentença. Para chegar a tal conclusão, os magistrados da última instância acataram as provas de agressão contra o réu e confirmaram o risco de morte resultante da agressão. Também foi considerado que a passagem da arma para o defensor não teria significado o fim do atentado.

“As decisões do Supremo têm caráter recomendatório para tribunais de instâncias inferiores, esclarecendo como aplicar a prática jurídica. É bem possível que, a partir de agora, os processos judiciais de legítima defesa resultem em mais absolvições”, afirma Aleksandr Skvortsov, jurista que trabalha para o site de apoio jurídico svem.ru.

Para Asker Chukhov, advogado da Associação dos Advogados “Vindeks”, de Naltchik, apesar de o sistema judicial russo não se basear no direito comum, esse tipo de deliberação costuma ser aproveitada na prática judicial. “Vou usar sem falta essa argumentação, embora tribunais locais possam rejeitá-la”, diz Chukhov.

O Plenário do Supremo Tribunal da Rússia já havia editado, em outubro de 2012, uma resolução que esclarece as regras de autodefesa para os cidadãos e estabelece que qualquer ameaça com perigo de vida concede direito à defesa própria. No entanto, por ser apenas uma recomendação, mesmo que do órgão judicial supremo, a resolução não dá garantias de absolvição.

Um dos famosos processos judiciais de legítima defesa na Rússia foi o caso de Aleksandra Lotkova, que, em maio de 2012, iniciou um tiroteio no metrô de Moscou, deixando dois feridos. Embora tenha justificado que estava defendendo seus amigos, Lotkova foi condenada a três anos de prisão.

Poder público

Serguêi Uchakov, advogado da Ordem dos Advogados de Moscou que trabalhou no recente processo de legítima defesa, considera que o caso pode não surtir o efeito esperado em relação a futuros processos, apesar da resolução do Supremo Tribunal.

“Investigadores prestam contas do seu trabalho com base nos processos que levam a cabo, por isso não lhes convém alterar a qualificação de crime e entregar o processo a outros especialistas. Como resultado, promotores de justiça continuam insistindo na sentença, e não em absolvição de pessoa que agiu em legítima defesa”, destaca o advogado.

Segundo Uchakóv, não há necessidade de emendar a legislação. “O que pode melhorar a situação é a atenção da opinião pública para com os processos de legítima defesa”, diz.

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies