‘Nova Geração’ priorizará jovens líderes da ex-URSS e dos Brics

Pessoas de mais de 80 países já participaram do programa Foto: Kirill Lagutko

Pessoas de mais de 80 países já participaram do programa Foto: Kirill Lagutko

Programa de visita à Rússia tem por objetivo ampliar conhecimento sobre o país. Mudança para escolha de participantes está relacionada ao redirecionamento da política externa russa.

A Agência Federal para Cooperação com Estados Independentes, Compatriotas que Vivem no Exterior e Ajuda Humanitária Internacional (Rossotrudnitchestvo) está revendo as normas para participação no programa “Nova Geração”: terão prioridade não só jovens oriundos da CEI (Comunidade dos Estados Independentes), mas também de países com quem a Rússia mantém parcerias, como os membros dos Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul).

O programa, que já está em vigor há quatro anos, promove visitas para apresentação da Rússia entre jovens representantes de círculos políticos, sociais, científicos e empresariais de países estrangeiros. “Foi decidido ajustá-lo e torná-lo mais preciso, para adequá-lo à situação da política externa”, explicaram à Gazeta Russa representantes da Rossotrudnitchestvo.

“Na lista de Estados cujas delegações serão recebidas na Rússia estão incluídos, em caráter prioritário, países que integram blocos internacionais e organizações intergovernamentais regionais que a Rússia irá presidir, bem como países com os quais estão sendo realizados os anos e dias de intercâmbio de caráter cultural, científico e educacional”, lê-se na nova descrição do programa.

Para Dmítri Trénin, diretor do Centro Carnegie de Moscou, a reorientação do programa tem lógica. “O mundo além das fronteiras do Ocidente é vasto. Antes destinávamos pouca atenção aos países não ocidentais, mas agora é necessário estabelecer cooperação com a nossa vizinha China, países do Brics, com a Organização para Cooperação de Xangai, países da América Latina e assim por diante”, destacou Trenin ao jornal “Kommersant”.

O documento especifica ainda os princípios para a seleção dos candidatos: estrangeiros com idade entre 20 e 40 anos (com exceções até 45 anos). Quem quiser saber mais sobre o programa, deve procurar a representação da agência Rossotrudnitchestvo no Brasil 

Pessoas de mais de 80 países já participaram do programa, e a expectativa para este ano é disponibilizá-lo para mais de 90 países. Serão disponibilizados para o evento 144 milhões de rublos – 13 milhões a menos do que em 2014.

Caro, porém eficaz

Segundo Anna Velikaia, doutora em ciências políticas, esses programas são eficazes, mas caros e apenas países desenvolvidos têm recursos para implementá-los. “O programa ‘Nova Geração’ é muito atual e pertinente. Gostaria que viessem mais pessoas de países ocidentais, mas a atual situação política é complicada”, disse Velikaia à Gazeta Russa.

“Esse tipo de programa é destinado e ajuda a expandir as plataformas de cooperação em diferentes blocos. Mas o mais importante aqui é o feedback. É preciso não só trazer essas pessoas, mas também propor projetos conjuntos”, acrescentou a politóloga.

A jornalista russa Anastassia, de 25 anos, participou de um programa semelhante no Japão. “Sabia muito pouco sobre esse país antes de visitá-lo, com exceção de alguns filmes e literatura, porque constavam no currículo da faculdade”, conta. “Mas, depois que comecei a estudar o país, entender suas políticas e sua economia, pude escrever escrever textos sobre questões asiáticas com mais propriedade.”

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies