Google, Facebook e Twitter sofrem ameaça por publicarem ‘conteúdo extremista’

Agência de fiscalização de mídia quer que redes sociais excluam chamadas para protestos em massa Foto: Aleksêi Filipov/TASS

Agência de fiscalização de mídia quer que redes sociais excluam chamadas para protestos em massa Foto: Aleksêi Filipov/TASS

O diretor da agência russa responsável pela fiscalização nas telecomunicações (Roskomnadzor) ameaçou aplicar multas e sanções contra as empresas americanas Google, Facebook e Twitter se continuarem descumprindo as exigências de Moscou. Objetivo é bloquear conteúdo considerado “extremista” e ter acesso a informações sobre o tráfego on-line em determinadas páginas.

Em cartas enviadas a altos executivos das três redes sociais, o diretor da Roskomnadzor, Aleksandr Jarov, acusou as empresas de cometer ‘ações ilegais’ por ignorar as exigências da Rússia e ameaçou introduzir sanções contra as companhias americanas.

“Cartas desse tipo tornaram-se uma prática comum em nossa comunicação com as empresas de internet estrangeiras”, declarou o porta-voz da Roskomnadzor, Vadim Ampelonski. “Normalmente, a expedição de tais cartas traz certo progresso na comunicação.”

“Esperamos que, nesse caso, as empresas respondam e cumpram as exigências que têm sido repetidamente apresentadas a elas”, acrescentou o porta-voz.

Um lote anterior de cartas havia sido enviado pelo vice de Jarov, Maksim Ksendzov, no início do mês. Nas mensagens anteriores, Ksendzov exigiu que o Twitter, o Facebook e o Google excluíssem qualquer conteúdo que “contém chamadas para protestos em massa [ou] realização de atividades extremistas”.

Ksendzov também pediu às empresas para que fornecessem informações sobre o número de visitantes de determinadas páginas. Tal demanda foi motivada por uma lei promulgada no verão de 2014, segundo a qual blogueiros cujas contas recebem mais de 3.000 visitantes por dia devem se registrar como “grande mídia”.

 

Publicado originalmente pelo The Moscow Times

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies