Estudantes estrangeiros poderão trabalhar no país sem licença especial

Emendas se referem a estrangeiros matriculados em cursos presenciais e que moram em alojamentos estudantis Foto: Aleksêi Dánitchev/ RIA Nóvosti

Emendas se referem a estrangeiros matriculados em cursos presenciais e que moram em alojamentos estudantis Foto: Aleksêi Dánitchev/ RIA Nóvosti

Emendas à legislação foram apresentadas para análise junto à Duma de Estado (câmara dos deputados na Rússia). Ex-estudantes universitários oriundos da Geórgia, da Moldávia e da Sérvia contaram à Gazeta Russa sobre as dificuldades com que se depararam quando tentaram arrumar um emprego no país enquanto ainda estudavam.

De acordo com as emendas à lei “Sobre o estatuto jurídico dos cidadãos estrangeiros na Federação Russa” propostas em 9 de abril, os estudantes estrangeiros terão permissão para trabalhar sem autorização ou licença especial. Se os deputados da Duma aprovarem a iniciativa, o registro temporário será suficiente para a contratação de imigrantes.

As emendas se referem a estrangeiros que estão matriculados em cursos presenciais nas instituições russas de ensino superior e que moram em alojamentos estudantis. A ideia é que o procedimento simplificado para a obtenção do emprego fique disponível aos estrangeiros até a conclusão dos estudos.

Além disso, o governo russo deverá emitir autorizações de residência temporária para os estudantes estrangeiros que se enquadram nos requisitos citados acima, mesmo que o número de permissões exceda as cotas previamente estabelecidas para as diversas regiões do país.

Trabalho informal

Atualmente, nem sempre é possível obter uma licença especial para trabalhar depois de passar por todos os procedimentos burocráticos. “Eu teria ficado feliz em ter o direito de trabalhar oficialmente”, diz o georgiano Gueôrgui, que trabalhava como professor particular de física quando era estudante universitário. “Mas, como eu podia desenvolver a atividade de professor informalmente, nem precisei de uma licença especial.”

A ex-estudante de jornalismo Aleksandra, da Moldávia, teve dificuldade em arranjar um emprego formal. “A autorização do reitor fazia parte do conjunto de documentos necessários, pois eu me encontrava na Rússia na qualidade de estudante universitária. Acontece que ele tinha por princípio não fornecer esse tipo de autorizações”, conta Aleksandra, que teve que buscar empregos sem registro.

Prioridade para russos

A história de Vukach, que é natural da Sérvia, é menos otimista. “Se você não é um estudante da Bielorrússia ou do Cazaquistão, então terá enormes problemas para encontrar trabalho”, diz. “Conseguir um estágio é a única coisa que um estudante estrangeiro sem experiência pode conseguir, mesmo que esteja cursando uma universidade prestigiada.” 

Vukach perdeu a esperança de encontrar um trabalho na Rússia logo após ter concluído o primeiro estágio não remunerado em uma agência de recrutamento de Moscou. O estágio seguinte, no departamento de investimentos de uma organização sem fins lucrativos de grande porte, apenas confirmou os seus receios.

“Percebi que não existe qualquer perspectiva, isto é, conseguir um trabalho totalmente formal. Segundo os empregadores, a legislação russa não lhes permitia me efetivar: muitos russos poderiam ocupar a minha posição na empresa e, para contratar um estrangeiro, seria necessário ter uma justificativa muito sólida”, explica. Sem conseguir um emprego formal, Vukach decidiu voltar para a Sérvia alguns meses depois de terminar a faculdade.

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.