Grafite de Gagárin crucificado pode render até um ano de cadeia

Segundo grafiteiro, confluência no calendário foi simbólica, "porque a ciência e a religião têm permanecido em lados opostos das barricadas" Foto: Alexander Zhunev / Facebook

Segundo grafiteiro, confluência no calendário foi simbólica, "porque a ciência e a religião têm permanecido em lados opostos das barricadas" Foto: Alexander Zhunev / Facebook

Grafiteiro russo que pintou um mural representando o primeiro homem no espaço sideral, Iúri Gagárin, crucificado, em pleno domingo de Páscoa ortodoxa, pode ser condenado a um ano de prisão por “insultar crenças religiosas”.

O artista Aleksandr Jukov criou a obra com tinta acrílica e papel em um muro no centro de Perm, nos Urais. Na sequência, escreveu na rede social russa VKontakte que a representação combinava temas religiosos e científicos para marcar o Dia do Cosmonauta, no 12 de abril, que este ano coincidiu com o domingo de Páscoa.

“Tal confluência no calendário é muito simbólica, porque a ciência e a religião têm permanecido em lados opostos das barricadas, cada qual lutando por sua parcela de influência em nossas mentes”, publicou Jukov. No post havia ainda um link para a compra de camisetas e de capas de iPhone com a imagem de Gagárin.

Nessa quinta-feira (16), Jukov foi chamado pelo Ministério Público de Perm para prestar depoimento Segundo a agência de notícias TASS, o artista já havia sido interrogado pela polícia.

Os promotores estão pensando em abrir um processo contra o grafiteiro por exibição pública de uma peça “que ofende os sentimentos dos fiéis religiosos, um crime previsto na legislação desde o caso Pussy Riot”.

“A Páscoa não é o momento adequado para criar uma coisa dessas, especialmente no centro da cidade”, diz Víktor Bevkh, conselheiro sênior do Gabinete da Procuradoria de Perm, acrescentando que, se julgado e condenado, Jukov pode pegar até um ano de prisão.

 

Publicado originalmente pelo The Moscow Times


Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.