Pelo menos 54 morrem após embarcação russa naufragar no Pacífico

Barco-pesqueiro do mesmo modelo do "Dálni Vostok" navega em locação desconhecida. FOTO: AP Photo/Russian Emergency Situations Ministry Press Service

Barco-pesqueiro do mesmo modelo do "Dálni Vostok" navega em locação desconhecida. FOTO: AP Photo/Russian Emergency Situations Ministry Press Service

Barco pesqueiro levava 132 membros da tripulação, dos quais 15 continuam desaparecidos.

Um barco pesqueiro russo naufragou no Atlântico na madrugada desta quinta-feira (2), deixando pelo menos 54 mortos. A embarcação "Dálni Vostok" (do russo, "Extremo Oriente") levava 132 tripulantes, 15 dos quais continuam desaparecidos.

Entre os membros da tripulação, 78 eram russos; 42, do Burma; 5, de Vanuatu; 4, da Ucrânia e 3, da Letônia.

O acidente ocorreu no no mar de Okhotsk a 330 km da cidade litorânea de Magadan, que fica a mais de 10 mil quilômetros a leste de Moscou.

Pelo menos 63 tripulantes foram resgatados e encontram-se em estado grave. Dez deles continuam inconscientes e com hipotermia. As buscas por desaparecidos prosseguem.

De acordo com o especialista em situações de emergência da agência Ria Nôvosti, as chances de sobrevivência dos tripulantes que ainda estão nas águas congeladas é praticamente nula, já que as vestes aquáticas de que os marinheiros dispunham permitem a sobrevivência nessas condições por apenas 15 ou 20 minutos.

Na região do acidente encontram-se mais de 26 embarcações de pesca, cujas tripulações realizam operações de salvamento.

Motivos do naufrágio

O Comitê Investigativo da Federação Russa abriu um processo criminal por infração de regras pesqueiras baseado no parágrafo 3 do artigo 263 do Código Penal da Federação Russa, "Sobre a violação de regras de segurança de tráfego e exploração de transporte marítimo acarretando em morte de um ou mais indivíduos".

"Iniciou-se um processo. Agora, os investigadores estão recolhendo documentos sobre as condições técnicas da embarcação, autorizações de navegação e outros. Também planeja-se interrogar os tripulantes. Quando eles forem levados ao hospital, dependendo de suas condições, os investigadores falarão com eles", disse a porta-voz da direção de investigações de transporte do Extremo Oriente, Oksana Polchakova.

"No momento, os investigadores acreditam que o motivo mais provável do naufrágio tenha sido o choque da embarcação com um obstáculo, o que teria danificado o casco na região da seção de máquinas", disse o porta-voz do Comitê Investigativo da Federação da Rússia, Vladímir Márkin.

Inicialmente, considerava-se a possibilidade de o gelo ter destruído o casco da embarcação. Mais tarde, porém, o vice-governador de Kamtchatka, Serguêi Khabarov, declarou à agência Tass que a infração de regras de navegação seria o motivo mais provável do acidente.

O porta-voz do Ministério para Situações de Emergência na região pronunciou à agência Interfax versão similar. "De acordo com dados preliminares, a tripulação do barco infringiu regulamentos pesqueiros. A embarcação, que tinha pouca reserva de combustível,  levantou uma rede com peso de quase 80 toneladas, e abaixou outra. Nas condições de agitação do mar, o barco inclinou e começou a afundar", disse.

A embarcação, de acordo com o centro de coordenação de salvamento marítimo em Petropavlosvk-Kamtchatka afundou completamente em apenas 15 minutos, e por isso não conseguiu emitir o sinal de SOS.

Um representante da companhia de navegação proprietária do barco disse à Ria Nôvosti que a embarcação estava completamente preparada para a viagem. "O barco estava em condições de trabalho, estava totalmente preparado para o trajeto em todos os parâmetros. Ele foi reformado no final de 2014, por isso não faz sentido a suposição de que o barco afundou devido a negligência técnica", disse. 

O presidente ordenou que o ministro para Situações de Emergência, Vladímir Putchkov, e os governadores das regiões de Magadan e Sakhalin façam todo o possível para prestar ajuda às vítimas do naufrágio.

 

Com  material do jornal Kommersant

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.