Liga de Universidades do Brics deve sair do papel em outubro

Presidente Dilma Rousseff entre líderes internacionais antes da reunião do G20 na Austrália, em 2014 Foto: AP

Presidente Dilma Rousseff entre líderes internacionais antes da reunião do G20 na Austrália, em 2014 Foto: AP

Em outubro, os países do Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) concluirão o processo de criação da Rede de Universidades e da Liga de Universidades do grupo. Estruturas devem reunir os melhores estabelecimentos de ensino superior de cada país, ampliando a mobilidade acadêmica e desenvolvendo parcerias em pesquisa científica.

Os estabelecimentos de ensino superior do Brics planejam concluir a criação da Liga de Universidades e da Rede de Universidades durante a cúpula de reitores marcada para outubro, em Pequim, apenas dois anos após o surgimento da iniciativa.

De acordo com Aleksêi Maslov, professor da Escola Superior de Economia, que supervisiona os trabalhos russos na Liga, o principal objetivo dessas estruturas é ampliar e simplificar a mobilidade acadêmica e desenvolver a pesquisa científico-analítica entre as universidades dos membros do bloco.

A Liga das Universidades, uma espécie de associação das melhores universidades dos países do Brics, recebeu o apoio de algumas das maiores instituições de ensino russas, incluindo a Escola Superior de Economia, a Universidade Estatal de São Petersburgo e Universidade Federal do Extremo Oriente.

“Espera-se que algumas universidades e centros anunciem, no âmbito da Liga, projetos de pesquisa prioritários cujos resultados sejam importantes para todos os Estados-membros do bloco. Por exemplo, projetos na área de economia, desenvolvimento sustentável, meio ambiente, energia e ciências naturais”, diz Maslov.

O vice-reitor da Universidade Federal dos Urais (UrFU), Maksim Khomiakov, ressalta que a aproximação dos países dos Brics deverá estimular a convergência nos setores de educação, ciência e inovação.

“É curioso notar que as agências de classificação também compreendem isso – tanto a QS como a Times Higher Education estão criando rankings para as universidades dos países do Brics e, separadamente, dos países com economias emergentes”, diz o vice-reitor da UrFU.

Porém, segundo Khomiakov, essas classificações não fazem sentido sem a criação de um espaço científico-educacional comum. “A estrutura da Liga e o projeto da rede de universidades estão sendo projetados para apoiar uma cooperação real”, afirma.

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.