Polícia prende artistas que jogaram água benta no Mausoléu de Lênin

Manifestação ocorreu dois dias antes do aniversário de morte do líder soviético Foto: AFP/East News

Manifestação ocorreu dois dias antes do aniversário de morte do líder soviético Foto: AFP/East News

Um tribunal de Moscou decretou prisão de 10 dias a dois ativistas que jogaram água benta sobre o mausoléu de Vladímir Lênin, na Praça Vermelha. Objetivo foi exorcizar o ‘fantasma do fundador soviético que paira sobre a atual política russa’.

O tribunal do distrito de Tverskoi condenou Oleg Basov e Evguêni Avilov por vandalismo. Durante o ato intitulado “O Exorcista: Profanação do Mausoléu”, na última segunda-feira (19), os artistas ultrapassaram o portão de segurança e arremessaram água benta nas paredes do mausoléu, enquanto diziam “Levanta-te e vá embora!”.

A manifestação ocorreu no dia em que os cristãos ortodoxos celebravam a Epifania e dois dias antes do aniversário de morte do líder soviético.

A ideia era simbolizar uma “tentativa de se livrar do passado soviético, que está começando a reaparecer nos tempos modernos, pois ainda não foi completamente enterrado”, descreveu o portal Grani.ru, citando os ativistas.

Os membros do “Cavaleiro azul”, movimento artístico por trás do mais recente ato, realizaram uma série de performances políticas recentemente, incluindo uma ação de protesto chamada “Rússia suja”, em São Petersburgo, no verão passado.

Durante a apresentação, que aconteceu no museu Hermitage, um ativista ficou de cueca e subiu em um sarcófago romano em forma de banheira. Ele então começou a esfregar o peito, onde estava o nome do partido governista Rússia Unida, tentando apagá-lo.

 

Publicado originalmente pelo The Moscow Times

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.