Tribunal reforça punição contra extremismo

Estado Islâmico é uma organização terrorista que atua principalmente na Síria e no Iraque Foto: Reuters

Estado Islâmico é uma organização terrorista que atua principalmente na Síria e no Iraque Foto: Reuters

A Suprema Corte da Rússia emitiu uma decisão reconhecendo o Estado Islâmico e a Jabhat al-Nusra como organizações terroristas e proibiu qualquer atividade relacionada a esses grupos no país.

O Estado Islâmico e a Jabhat al-Nusra foram incluídos na lista de organizações reconhecidas pelo tribunal russo como terroristas, e qualquer participação em suas atividades será considerada crime de acordo com a legislação do país.

“Depois de ouvir os representantes do Gabinete do Procurador-Geral da Rússia e do Serviço Federal de Segurança, e examinar os materiais do caso, a Suprema Corte decidiu satisfazer o pedido do Procurador-Geral, reconhecendo o Estado Islâmico e a Jabhat al-Nusra como organizações terroristas e proibindo suas atividades no país”, declarou o juiz.

A sessão que resultou em tal decisão foi realizada a portas fechadas, uma vez que os dossiês contêm documentos classificados como “secretos”.

De acordo com a lei, a atividade de uma organização é reconhecida como terrorista se incluir: organização, elaboração e execução de atos terroristas, incitação a atos de terrorismo, violência contra indivíduos ou organizações, destruição de objetos materiais para fins terroristas, organização de grupos armados ilegítimos, grupos criminosos, grupos organizados para encenar atos terroristas, bem como a participação em tais ações, recrutamento, armamento, treinamento e uso de terroristas, além de financiamento de organizações terroristas ou prestação de qualquer tipo de assistência a eles.

O Estado Islâmico é uma organização terrorista que atua principalmente na Síria e no Iraque. Foi criado no Iraque em 2006 por meio da fusão de 11 grupos de radicais islâmicos liderados pela célula local da Al Qaeda. O Jabhat al-Nusra também é um grupo terrorista associado à Al Qaeda.

 

Publicado originalmente pela Tass

 

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.