Governo russo discute combate ao extremismo

O problema do extremismo continua sendo um dos principais assuntos na Rússia Foto: Aleksandr Riúmin/TASS

O problema do extremismo continua sendo um dos principais assuntos na Rússia Foto: Aleksandr Riúmin/TASS

Durante os debates sobre da nova estratégia de combate ao extremismo realizados na reunião do Conselho de Segurança Nacional em 20 de novembro, o presidente Vladímir Pútin ressaltou a importância de prevenção dos tumultos de natureza política e dos conflitos interétnicos, que, segundo ele, favorecem o nascimento de movimentos extremistas.

Em 20 de novembro, os participantes da reunião do Conselho de Segurança da Federação Russa debateram a nova estratégia de combate ao extremismo que será realizada pelo governo nacional até 2025. No decorrer do evento, o presidente russo, Vladímir Pútin, afirmou que os movimentos extremistas exercem papel de ferramenta geopolítica e provocam a divisão de poder e influência na atual comunidade mundial.

Pútin citou exemplos das consequências negativas que as "revoluções coloridas" trouxeram para os seus respectivos países, ressaltando a importância da sua prevenção no território russo. 

Especialistas entrevistados pela Gazeta Russa analisaram a posição do chefe do governo russo e apontaram a inexistência de quaisquer motivos para o surgimento de revoluções de natureza política no território nacional, mas ressaltaram a presença de ameaças potenciais vindas de movimentos extremistas e conflitos interétnicos.

Na opinião de Dmítri Trénin, diretor da filial moscovita do Fundo Carnegie, o problema do extremismo continua sendo um dos principais assuntos na Rússia.

"O longo e difícil processo de transformação do Estado russo num país multiétnico é uma das consequências do seu passado imperial. Preservar a integridade da Federação Russa, que abriga mais de 100 nacionalidades concentradas dentro das próprias unidades administrativas, chamadas de repúblicas, não é uma tarefa fácil para nenhum governo, principalmente na presença de uma crise econômica, uma fonte infinita de insatisfação da população", explica Dmítri.

"A situação não resolvida no solo ucraniano prejudica a imagem do Vladímir Pútin e de seu governo e diminui a sensação de segurança dentro do país. No entanto, a probabilidade do surgimento de revoltas por motivos políticos, na minha opinião, continua sendo pequena", acrescenta.

Vladímir Jaríkhin, vice-diretor do Instituto dos Países da CEI (Comunidade dos Estados Independentes), compartilha o ponto de vista do colega, porém acredita que o governo russo deve priorizar a detecção e a rápida eliminação das situações capazes de se transformarem em tumultos políticos.

"Apesar da existência de movimentos extremistas e do alto risco de revoltas capazes de desequilibrar a situação política, os atuais altos índices de aprovação do presidente russo diminuem a probabilidade deste evento indesejável. Caso o governo atual siga os exemplos dos Estados Unidos, da Europa ou da China e esteja disposto a defender a sua permanência no poder usando todos os recursos previstos pela constituição, os pequenos grupos de cidadãos não satisfeitos terão poucas chances de provocar uma verdadeira revolução”, explica ele.

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.