Autoridades de Kursk culpam ‘selfies’ por surto de piolho

Contato entre cabeças nas fotos em grupo estaria facilitando transmissão de parasitas Foto: Shawn Ahmed/flickr.com

Contato entre cabeças nas fotos em grupo estaria facilitando transmissão de parasitas Foto: Shawn Ahmed/flickr.com

Com 2014 próximo ao fim, parece que a selfie não é a única pandemia que se alastrou como fogo este ano. Algumas autoridades russas estão culpando o “fenômeno fotográfico” pelo preocupante surto de piolhos no interior do país.

“De acordo com os especialistas, a razão para a disseminação de piolhos entre os adolescentes é a sua fixação por selfies”, declarou a sucursal de Kursk da agência de vigilância sanitária (Rospotrebnadzor), em um comunicado on-line. “Os adolescentes (...) facilitam a transmissão de parasitas quando as cabeças se tocam nas fotos em grupo.”

A agência acrescentou que os jovens russos não têm mais desculpas para disseminar piolhos, pois “os padrões contemporâneos de higiene pessoal são altos”.

Na mesma nota, as autoridades apresentam uma breve história dos piolhos. “Todos os moradores da Europa medieval tinham piolhos, e o mercúrio era então usado para o tratamento – eles comiam ou esfregavam esse metal contra a pele”, diz a nota publicada pela agência.

Cabe lembrar, contudo, que o governo russo assinou no mês passado a Convenção de Minamata sobre Mercúrio, comprometendo-se a eliminar progressivamente o uso do metal tóxico até 2030.

 Além disso, apesar do foco nos adolescentes, não são apenas os jovens que aderiram à tendência de tirar selfies.

O primeiro-ministro Dmítri Medvedev foi parar nas manchetes em julho passado, depois de postar a sua primeira selfie no Instagram. O presidente Vladímir Pútin também apareceu em uma selfie ao lado de um garoto no início deste ano.

 

Publicado originalmente pelo The Moscow Times

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.