Para russos, China é 'melhor amigo' do país

Percepção dos russos em relação aos chineses é mútua, segundo estudos recentes Foto: ITAR-TASS

Percepção dos russos em relação aos chineses é mútua, segundo estudos recentes Foto: ITAR-TASS

De acordo com a sondagem realizada pelo Centro Nacional de Pesquisa de Opinião Pública (VTsIOM), 51% dos russos acreditam que as relações com China são de amizade, seguido por Cazaquistão e Bielorrússia. Especialistas acreditam que pesquisa refletiu tendência atual das relações entre os dois países, apesar do medo de “expansão chinesa” no Extremo Oriente.

O Centro Nacional de Pesquisa de Opinião Pública (VTsIOM) revelou recentemente os resultados de uma pesquisa sobre a percepção dos russos sobre as relações internacionais do Kremlin.

No grupo dos três países “mais amigos”, a China venceu em disparada, com 51%, os dois parceiros da Rússia na União da Eurásia, Cazaquistão e Bielorrússia, que foram reconhecidos como “amigos” por 20% e 32% dos russos, respectivamente.

Em seis anos desde o último levantamento, a consideração dos russos pela China aumentou de forma significativa. Em 2008, apenas 21% dos russos viam a relação com os vizinhos chineses como positiva.

A população também reconheceu a existência de relações calorosas com a Índia (9%), bem como com países da América Latina – Brasil (4%), Cuba (4%) e Argentina (3%).

Paralelamente, os Estados Unidos e diversos países da União Europeia, incluindo a Alemanha, perderam diversas posições nesse ranking, após a adoção de sanções econômicas e forte oposição política. A Ucrânia foi igualmente citada como um dos países mais hostis em relação à Rússia.

Amor e ódio

De acordo com o pesquisador do Instituto do Extremo Oriente e especialista em assuntos da China, Aleksandr Lárin, pesquisas recentes, como a divulgada pelo VTsIOM, têm demonstrado uma avaliação em alta nas relações com a China.

Essa imagem positiva na Rússia tem, segundo o especialista, raízes em vários fatores –  tanto na retórica da mídia, como nas experiências pessoais resultantes do contato direto com cidadãos chineses.

Ao que tudo indica, essa percepção dos russos em relação aos chineses também é mútua. “A porcentagem de cidadãos chineses que têm um sentimento de boas relações em relação à Rússia subiu para 66% nos últimos anos”, aponta Lárin.

“Por outro lado”, diz o pesquisador, “a consciência coletiva é bastante contraditória e, junto com a atitude positiva em relação à China, existem algumas preocupações nem sempre justificadas”. Essas preocupações incluem a ameaça de uma hipotética expansão demográfica chinesa no Extremo Oriente, por exemplo. 

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.