45% dos russos acreditam que “entidade obscura” controla a humanidade

Judeus, maçons e o Reino Unido estão entre os grupos citados como responsáveis pelo controle da humanidade  Foto: AP

Judeus, maçons e o Reino Unido estão entre os grupos citados como responsáveis pelo controle da humanidade Foto: AP

De acordo com pesquisa de um centro estatal, quase metade dos russos sugeriram que o mundo é governado por uma espécie de entidade global que manobra as situações conforme seus interesses. No entanto, mais da metade dos que acreditam na existência desse grupo não são capazes de identificar por quem ou pelo quê é composto.

O Centro de Pesquisa de Opinião Pública constatou que 45% dos russos acreditam na “existência de uma força onipotente que governa sobre os Estados, controlando os assuntos da humanidade”. Apenas um terço da população rejeita categoricamente essa hipótese, enquanto outros 23% não têm uma opinião formada sobre o assunto.

O centro de pesquisa também revelou que os indivíduos com níveis mais elevados de educação e salários invejáveis estão mais propensos a adotar tais teorias do que as pessoas de outros setores sociais.

Entre os que acreditam na existência de tal “entidade impalpável”, 22% acham que é composta por oligarcas e líderes empresariais proeminentes de todo o mundo; já 6% dos entrevistados garantiram que é executada pelos Estados Unidos.

No entanto, mais da metade dos que acreditam na existência desse grupo não são capazes de identificar por quem ou pelo quê é composto. Os entrevistados listaram judeus, maçons e o Reino Unido entre os grupos que podem estar secretamente no controle.

A pesquisa também mostrou que 48% dos que acreditam na existência dessa força global não têm certeza sobre o principal motivo ou a razão de sua existência. Paralelamente, 32% das pessoas que acreditam nessa teoria sugeriram que o objetivo central é “dominar o mundo”, enquanto 10% afirmaram ter como proposta o mero enriquecimento de um grupo seleto de pessoas.

A pesquisa foi realizada no final de agosto e contou com 1.600 adultos de 42 regiões russas. A margem de erro é de três pontos percentuais.

 

Publicado originalmente pelo The Moscow Times

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.