Iaques vão transportar equipamentos militares em regiões serranas

Os iaques possuem caraterísticas mais adequadas para a entrega dos equipamentos militares nas regiões alpinas Foto: Alamy / Legion Media

Os iaques possuem caraterísticas mais adequadas para a entrega dos equipamentos militares nas regiões alpinas Foto: Alamy / Legion Media

Bovinos de pelagem longa levarão instrumento para detecção de explosivos a 2.500 metros.

Em agosto deste ano, as tropas de engenharia da circunscrição militar do sul da Rússia testarão um novo mecanismo de entrega do equipamento de detecção de explosivos às regiões serranas: os iaques, bovinos de pelagem longa que vivem em terrenos elevados sem árvores.

“Alguns animais selecionados já estão sendo submetidos a treinamentos nas bases militares das montanhas para poderem realizar o futuro transporte de objetos pesados”, conta Konstantin Smechko, diretor do departamento administrativo das tropas. Os instrumentos transportados serão usados para a detecção de explosivos em altitudes acima de 2.500 metros.

Os iaques possuem caraterísticas mais adequadas para a entrega dos equipamentos militares nas regiões alpinas do que os burros usados atualmente. “O iaque é um animal típico das serras, com a estrutura das patas que permite se equilibrar em qualquer tipo de declive, enquanto o burro vive nas planícies e foi adaptado para a vida nas montanhas pelo próprio ser humano”, explica o biólogo e vice-diretor do parque nacional Rostovski, Aleksandr Lipkovitch.

Segundo o especialista, os iaques são capazes de carregar cargas muito pesadas, além de serem animais tranquilos e fáceis de controlar. “Ao contrário deles, os burros são teimosos, e isso não é um mito literário”, continua.

Após a reanexação da Crimeia ao território russo, as tropas da Marinha também foram reforçadas por golfinhos de combate treinados para a busca de objetos no fundo do mar, patrulha de zonas aquáticas e detecção de submarinos de pequeno porte e nadadores militares.

 

Publicado originalmente pela agência RIA Nóvosti

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.