Mais russos rejeitam nacionalismo após desenvolvimentos na Ucrânia, revela estudo

Número de entrevistados que disseram que todos os cidadãos da Rússia devem ter direitos iguais subiu 20% desde o ano passado Foto: Kommersant

Número de entrevistados que disseram que todos os cidadãos da Rússia devem ter direitos iguais subiu 20% desde o ano passado Foto: Kommersant

Os recentes acontecimentos políticos na Ucrânia e a “primavera russa” na Crimeia provocaram uma crescente atitude negativa dos cidadãos russos em relação a qualquer forma de nacionalismo, de acordo com uma pesquisa de opinião pública realizada pelo Centro de Estudo de Opinião Pública da Rússia (VTsIOM).

No total, 57% dos entrevistados disseram que a Rússia deveria ser um Estado multinacional. Essa opinião foi igualmente partilhada por jovens e pessoas com mais de 60 anos, moradores de cidades com população de um milhão ou mais e residentes de áreas rurais. Em novembro de 2013, o número de pessoas que gostariam de ver a Rússia como um Estado multinacional correspondia a apenas 44%.

O número de entrevistados que disseram que todos os cidadãos da Rússia devem ter direitos iguais foi de 57% em 2014, contra 37% em uma pesquisa similar realizada em novembro passado.

No entanto, um total de 38% dos respondentes disseram que os russos étnicos do país devem se unir para defender seus interesses, o que tem sido repetidamente enfatizado por seguidores do partido LDPR (54%). Além disso, 26% dos entrevistados disseram que os russos étnicos, como maioria da nação, devem ter mais direitos, e 10% afirmaram que a Rússia deveria ser “um Estado para o povo russo”.

A maioria dos apoiadores de ideias nacionalistas foram pessoas que não aprovam a atividade do presidente russo Vladímir Pútin, um número considerável de entrevistados de Moscou e São Petersburgo, jovens com idades entre 25 e 34, e internautas.

A pesquisa foi realizada em 130 cidades de 42 regiões do país.

 

Publicado originalmente pela agência Itar-Tass 

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.