Lavrov faz nova intervenção em favor dos jornalistas detidos

No domingo passado (18), os jornalistas do LifeNews, Oleg Sidiakin (centro) e Marat Saitchenko (dir.), foram capturados por membros da Guarda Nacional da Ucrânia Foto: Press Photo

No domingo passado (18), os jornalistas do LifeNews, Oleg Sidiakin (centro) e Marat Saitchenko (dir.), foram capturados por membros da Guarda Nacional da Ucrânia Foto: Press Photo

Diplomatas reagiram à captura de equipe de filmagem por autoridades de Kiev. Governo russo planeja “uma dura reação” aos acontecimentos envolvendo profissionais da imprensa.

Na última segunda-feira (19), o ministro dos Negócios Estrangeiros, Serguêi Lavrov, dirigiu um novo apelo à OSCE para libertar os repórteres do canal LifeNews capturados na Ucrânia. De acordo com o comunicado oficial da pasta, o ministro entrou em contato com Didier Burkhalter, presidente em exercício da OSCE e chefe de Estado da Suíça, pedindo para ele utilizar todos os recursos da organização para a libertação imediata dos russos.

“As autoridades de Kiev estão violando explicitamente o compromisso de garantir o livre funcionamento da imprensa”, declarou o comissário russo para os Direitos Humanos, Konstantin Dolgov. “A OSCE deve fazer tudo o que for possível para a imediata liberação.” No comunicado do ministério, fica expresso que o presidente da OSCE teria assegurado ao lado russo “uma solução depressa para essa questão”.

A embaixada russa em Kiev relatou que as detenções dos jornalistas na Ucrânia já passaram a ter caráter sistêmico. “Essa não foi a primeira vez que as forças de segurança ucraniana detiveram jornalistas russos”, salientou a missão diplomática. No dia 16 de abril, a equipe de filmagem da rádio e televisão VGTRK foi detida, e, no dia 23 de abril, o jornalista do canal russo de televisão NTV, Stepan Tchiritch, foi brutalmente espancado na região de Dnepropetrovsk por representantes das forças de autodefesa locais.

“Informações sobre casos de obstrução do exercício das atividades profissionais dos jornalistas russos pelos militares e agências de aplicação da lei da Ucrânia estão chegando de diversas localidades do país”, disseram os representantes da diplomacia russa na Ucrânia. Segundo eles, as ações perpetradas pelo lado ucraniano contrariam as normas do direito internacional, que regem o trabalho dos representantes dos meios de comunicação em massa no território de um Estado estrangeiro. “Sem falar que o lado ucraniano assegurou repetidas vezes que não existem restrições ao trabalho para jornalistas estrangeiros no país.”

No domingo passado (18), os jornalistas do LifeNews, Oleg Sidiakin e Marat Saitchenko, foram capturados por membros da Guarda Nacional da Ucrânia nas proximidades da cidade de Kramatorsk, no leste da Ucrânia. O próprio Ministério da Defesa ucraniano confirmou a detenção.

Nas redes sociais surgiu também uma fotografia que prova a detenção dos jornalistas por militares ucranianos. “A foto mostra que os jornalistas estão sentados com as mãos amarradas. Ao fundo estão posicionados militares”, diz o site do canal. A “Televisão Militar da Ucrânia” veiculou ainda trechos que mostram os jornalistas russos, com as cabeças cobertas por sacos e as mãos amarradas, sendo pressionados em direção ao chão e enfiados em um helicóptero.

Posição dura

O presidente do Sindicato dos Jornalistas da Rússia, Vsevolod Bogdanov, disse ao jornal “Vzgliad” se referiu ao episódio como uma “história pouco agradável”. “O nosso grupo encontra-se justamente em Viena, inclusive os nossos advogados. Eles estão se reunindo com os jornalistas de Kiev e estão abordando essa questão. Esperamos que o bom senso prevaleça e que os jornalistas sejam liberados”, enfatizou.

Mas as autoridades russas já planejam uma dura reação à captura dos jornalistas, conforme declarações de Vadim Dengin, primeiro vice-presidente do Comitê de Política de Informação da Duma do Estado (câmara dos deputados na Rússia). Em seu último relatório, a ONU reconheceu os fatos de violação dos direitos humanos na Ucrânia, em especial, contra os jornalistas.

Jornalistas na mira

Os profissionais de mídia russos foram diversas vezes submetidos à agressão por parte das autoridades de Kiev. Veja abaixo os últimos eventos:

19 de maio A polícia ucraniana convidou os jornalistas da VGTRK a sair do país antes de domingo, sob a ameaça de abertura de um processo penal caso isso não fosse cumprido. Os jornalistas tinham sido acusados de “cometer um crime grave”, mas não foi dito exatamente que crime seria esse.

15 de maio As forças de segurança abriram fogo contra uma equipe de filmagem do canal RT.

13 de maio Jornalistas do LifeNews foram submetidos a um tiroteio (os mesmos que, cinco dias mais tarde, foram capturados nas cercanias de Kramatorsk).

9 de maio Representantes da Guarda Nacional feriram o correspondente do canal RT, Fiódor Zavaleikov, durante a operação na cidade de Mariupol.

2 de maio Um franco-atirador ucraniano abriu fogo contra o carro com repórteres do jornal “Komsomolskaia Pravda” perto do Slaviansk.


Publicado originalmente pelo Vzgliad

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.