Vídeos amadores ajudam a reconstruir tragédia em Odessa

Evento continua a ser o assuntos mais discutido na mídia russa e ucraniana. Primeiras investigações sobre incêndio que matou pelo menos 46 pessoas revelaram que a maioria das vítimas foram intoxicadas por monóxido de carbono. Mas começaram a aparecer novas informações de mortes causadas por armas de fogo e outros tipos de violência.

Naquela tarde, os torcedores dos times de futebol Chernomorets (Odessa) e Metallist (Kharkiv) que estavam na praça da Catedral de Odessa decidiram caminhar em direção ao estádio do Chernomorets, onde logo aconteceria uma disputa entre as equipes. A maioria dos torcedores estavam segurando bandeiras ucranianas. Alguns moradores das imediações, achando que se tratava de marcha política pela centralização do poder ucraniano, juntaram-se aos torcedores.

Outra versão diz que a marcha “Ucrânia Unida” havia sido organizada com antecedência por ativistas da Euromaidan, que aproveitaram o ensejo dos torcedores de Odessa e Kharkiv.

Fato é que, uma vez que a multidão começou a caminhada, ela foi atacada com paus e armas pneumáticas por grupos de proponentes da federalização da Ucrânia. Testemunhas relataram que ambos os lados possuíam armas de fogo. Os partidários da Euromaidan estavam em vantagem numérica – alguns milhares contra 300 a 400 federalistas.

A multidão foi dispersa, e muitos buscaram refúgio em um shopping da região. A polícia ainda tentou, sem sucesso, prender alguns manifestantes.

Fonte: YouTube

As pessoas com braçadeiras vermelhas nos ombros eram aparentemente agitadores políticos. Foram vistas tanto com os partidários da Euromaidan, quanto com seus opositores, e até mesmo entre os policiais. Segundo testemunhas, foram justamente essas pessoas com braçadeiras vermelhas que abriram fogo contra a multidão e, posteriormente, lançaram fogos de artifício do telhado da Casa dos Sindicatos.

Como resultado, os ativistas contrários à Euromaidan invadiram a área de Kulikovo Pole e atearam fogo em todo o acampamento.

Incêndio na Casa dos Sindicatos

Em um vídeo feito por um dos participantes do protesto, é possível ver que o incêndio na Casa dos Sindicatos começou apenas dois minutos após os manifestantes atearem fogo no acampamento dos federalistas. Em uma cena deste vídeo, nota-se que o foco de incêndio na entrada principal do edifício surge simultaneamente com outro no quinto andar. 

Fonte: YouTube

As causas do incêndio ainda permanecem incertas. Os investigadores ainda não concluíram se os revestimentos plásticos do edifício pegaram fogo devido aos fogos de artifício lançados do teto ou ateado pelos próprios manifestantes.

Os bombeiros chegaram ao local somente 40 minutos depois do início do incêndio, e o edifício não tinha água ou extintores disponíveis. Os ativistas da Euromaidan mantiveram o prédio sob cerco durante todo o episódio e, de acordo com o relato de testemunhas na internet, chegaram a cortar as mangueiras de incêndio, complicando de resgate. Do outro lado, alguns dos defensores da “Ucrânia Unida” chegaram a disparar das janelas de um prédio.

Os partidários da Euromaidan ajudaram seus adversários a escapar do incêndio no prédio dos sindicatos, mas logo em seguida começaram a linchá-los. Várias vítimas foram hospitalizadas e algumas morreram em resultado desses espancamentos.

Na última terça-feira (6), rodaram na internet alguns vídeos onde é possível ver que os partidários da Euromaidan invadindo a Casa dos Sindicatos com paus e correntes.

Mais versões

O número de vítimas apresentado por fontes oficiais, mídia e blogueiros não bate. A Promotoria de Odessa listou 46 mortos no incêndio, mas blogueiros afirmam que o número é bem maior e passa dos 217. O site de notícias Timer cita o relato de legistas sobre 116 vítimas fatais.

Apesar de os dados oficiais afirmarem que as pessoas morreram por asfixia com monóxido de carbono, o Timer usa novamente o relatório dos legistas para expor seis mortes por ferimentos de armas de fogo.

O incêndio se concentrou no primeiro andar, mas os investigadores também encontraram corpos carbonizados no segundo e terceiro andares. Em outros recintos, foram encontrados mortos sem sinais de queimaduras. Pelas fotos e vídeos publicados na internet, pode-se ver alguns corpos feridos por projéteis de armas de fogo, enquanto outros estavam manchados com pó de extintores de incêndio, que, de acordo com testemunhas, não estavam dentro do prédio.

Segundo a teoria do deputado Vladímir Ariev, pessoas mortas na Casa dos Sindicatos foram asfixiadas não por monóxido de carbono, mas presumivelmente por gás cloro lançado dentro do prédio. O vice-primeiro-ministro da Ucrânia, Viktor Iarema, confirma essa versão.

Fonte: YouTube

“Estive no local e vi um número grande de mortos. Eles morreram de repente, de forma rápida. Ou seja, alguma coisa entrou em combustão liberando um gás que causou rapidamente a perda da consciência das pessoas que faleceram ali mesmo. Agora, que tipo de gás e que substância foi usada, somente a perícia poderá dizer”, declarou Iarema em entrevista coletiva no último dia 3.

As investigações sobre a tragédia em Odessa ainda estão em andamento.

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.