Serviço militar: questão de honra ou trabalho forçado?

Exército russo possui um sistema misto de alistamento Foto: ITAR-TASS

Exército russo possui um sistema misto de alistamento Foto: ITAR-TASS

Russos mudam de atitude em relação ao serviço militar.

Todos os anos, durante o outono e a primavera, quando começa o prazo de alistamento, centenas de jovens entre 18 e 27 anos, que não possuem uma desculpa válida para se esquivar serviço militar, raramente saem de casa para evitar de serem abordados e levados à força para as juntas militares. “Se você não estudar direito, vai direto para o exército”, assustam os pais.

Todos os russos ainda se lembram das guerras do Afeganistão e da Tchetchênia, e muitos recrutas temem ser enviados para zonas de conflito. “Por mais que hoje a Rússia não esteja em guerra, o medo das pessoas ainda é muito grande”, explicou à Gazeta Russa o pesquisador do Instituto de Sociologia da Academia Russa de Ciências, Aleksandr Tolmatch.

Exército em números

150 mil recrutas serão alistados no Exército neste ano
A punição por deserção é multa ou prisão por até 2 anos

A relutância dos jovens russos em servir no Exército também está relacionada com o declínio do prestígio da profissão militar no início dos anos 1990. O país passou por um período de difícil transformação, e as instituições militares perderam sua função de “elevador social”.

Atualmente, a condição financeira dos militares melhorou, o Exército voltou a receber equipamentos modernos e exercícios de grande escala são realizados várias vezes ao ano. “No entanto, a juventude contemporânea possui seus próprios valores, e o serviço militar representa uma forma violenta de dominação baseada em padrões corporativos militares”, afirma Tolmatch.  

Legionários estrangeiros

O Exército russo possui um sistema misto de alistamento, tanto obrigatório como voluntário (com base em um contrato). Espera-se que, em breve, todo o alistamento seja voluntário, mas, enquanto que as forças armadas não completam seu processo de reforma, metade dos recrutas continuam sendo alistados obrigatoriamente.

No Reino Unido e na França, unidades do Exército compostas por estrangeiros já existem há muito tempo. Nos Estados Unidos, os estrangeiros também estão autorizados a servir voluntariamente nas forças armadas e, após três anos, recebem cidadania americana.

Na Rússia, porém, os estrangeiros não podem servir no Exército com base no recrutamento obrigatório, mas é possível servir voluntariamente, conforme decreto assinado pelo presidente Vladímir Pútin em 2003. O único pré-requisito para tal é ser fluente em russo.

Ao longo dos últimos dez anos, o número de estrangeiros que se apresentaram ao serviço militar russo não é expressivo, entretanto. De acordo com o Ministério da Defesa, apenas 300 cidadãos estrangeiros estão servindo no exército russo, a grande maioria provinda de ex-repúblicas soviéticas.

Apoio em casa

Pesquisas de opinião pública mostram que, ao longo dos últimos cinco anos, o serviço militar se tornou mais atrante para os russos. Se antes os pais se esforçavam para que seus filhos não servissem, hoje em dia, de acordo com uma pesquisa realizada em fevereiro pelo Centro de Pesquisa de Opinião Pública da Rússia (VTsIOM), 53% dos russos gostaria de ver algum de seus parentes próximos servindo no Exército.

Quatro anos atrás, esse índice era de apenas 36%. Atualmente, a grande maioria dos entrevistados (80%) acredita que metade da humanidade deve, em algum momento, servir nas forças armadas, e 42% pensa que o serviço militar é uma questão de honra para um verdadeiro homem.

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.