Não aceitação da Crimeia russa pelo Ocidente divide população, revela pesquisa

Sanções econômicas foram citadas como principal sintoma das consequências negativas Foto: Serguêi Savostianov/RG

Sanções econômicas foram citadas como principal sintoma das consequências negativas Foto: Serguêi Savostianov/RG

Quase 60% dos russos têm certeza de que o fato de muitos países continuarem a considerar Crimeia como parte da Ucrânia não terá qualquer consequência negativa, sugere uma recente pesquisa do Centro de Pesquisa de Opinião Pública da Rússia (VTsIOM).

As sondagens registraram que apenas um quarto dos entrevistados consideram que a situação pode ser prejudicial para a Rússia.  “A maioria dos habitantes do país [69% dos entrevistados] não têm medo das consequências, mas os moradores de Moscou e São Petersburgo tendem a manter uma opinião contrária”, dizem os sociólogos do instituto.

“Aqueles que expressam alguns receios mencionaram, em primeiro lugar, as sanções econômicas (34%)”, acrescentam. Além disso, 11% dos cidadãos acreditam que isso vai complicar as relações entre a Rússia e o Ocidente no futuro.

Um a cada cinco entrevistados afirma que muitos países se recusaram a reconhecer oficialmente a península no mar Negro como território russo, pois temem a crescente influência da Rússia no cenário internacional. Treze por cento explicou a indisposição do Ocidente por pressões dos EUA sobre outros Estados ou por sua intenção própria de controlar a Crimeia.

A pesquisa foi realizada nos dias 5 e 6 de abril, quando foram entrevistados 1.600 pessoas de 130 vilas e cidades em 42 regiões russas. A margem de erro não excede 3,4%.

 

Publicado originalmente pela agência Itar-Tass

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.