Crimeia sofre com falta de água potável

Entre as alternativas para resolver o problema, o ex-ministro refuta a possibilidade de construção de um duto para desviar água de Kuban Foto: Mikhail Voskressénski / RIA Nóvosti

Entre as alternativas para resolver o problema, o ex-ministro refuta a possibilidade de construção de um duto para desviar água de Kuban Foto: Mikhail Voskressénski / RIA Nóvosti

No fim de semana passado, as autoridades ucranianas bloquearam canal de água no norte da Crimeia, que fornece 80% da água potável para a península.

Em consequência da medida recém-aprovada pelo governo de Kiev, os dois milhões de moradores da Crimeia – ou duas vezes mais, considerando os turistas – deverão sofrer com a falta de água, inclusive potável, nos próximos meses. Em vez dos habituais 100 metros cúbicos de água por segundo, apenas seis passaram pelo canal desde o fim de semana passado.

“Isso significa que as autoridades ucranianas da região de Kherson bloquearam a válvula”, afirma o presidente do conselho da União dos Condutores e Benfeitores e ex-ministro dos Recursos Hídricos da URSS, Polad Poladzade.

Acredita-se que oito reservatórios da Crimeia podem estar sem fornecimento de água, e a situação é agravada pelo fato de as autoridades ucranianas não terem investido na reparação e reconstrução do canal, que agora está em pleno declínio. “No caminho para o usuário final, perde-se até 45% da água”, expõe Poladzade.

O Canal do Norte da Crimeia, construído na década de 1960, é praticamente a única fonte de água na península. Graças a essa estrutura e ao sistema de irrigação, essa área se transformou em um jardim florido, e os moradores das cidades costeiras do sul obtiveram acesso à água ao longo do ano todo.

Do mar ao povo

Entre as alternativas para resolver o problema, o ex-ministro refuta a possibilidade de construção de um duto para desviar água de Kuban, pois “custaria muito, além de que a região do Cáucaso do Norte já sofre com a escassez água”.

A água de fluxo natural, proveniente do derretimento da neve nas montanhas e chuva, que se acumula em outros 15 reservatórios espalhados por toda a península, também não resolverá a situação, bem como a extração de água subterrânea.

A única opção seria a construção de fabricas de dessalinização de água, garantem os especialistas locais, embora esse procedimento consuma muita energia e demande novas fontes. Nesse contexto, o gasoduto sob o fundo do mar Negro, entre Taman e Kerch, poderia se revelar bastante oportuno.

Experiência estrangeira

O presidente do comitê da Duma (câmara dos deputados na Rússia) sobre Recursos Naturais, Meio Ambiente e Ecologia, Vladímir Kachin, está avaliando a experiência de outros países, tais como Israel, onde quase toda a água doce para consumo e irrigação por gotejamento é extraída do mar.

“Não preciso dramatizar a situação”, diz, “em último caso, poderemos fornecer água para os moradores de Crimeia. Entregaremos a água em avião ou em transporte hidroviário”.

O parlamentar alerta, contudo, para o fato de água ser necessária à indústria e à agricultura. “Se a terra não for irrigada, ela sofrerá salinização e se tornará inútil por muitos anos”, ressalta. “Portanto, esperamos que as organizações internacionais, como a Osce, possam influenciar as autoridades ucranianas para que elas retomem o abastecimento de água para o Canal  do Norte da Crimeia”.

 

Publicado originalmente pelo Moskóvski Komsomolets

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.